Mercado fechará em 4 h 48 min

“Bancos não perdem dinheiro com Pix”, diz Campos Neto ao desmentir Bolsonaro

Campos Neto também destacou que o Pix tem trazido vantagens para os bancos (REUTERS/Adriano Machado)
Campos Neto também destacou que o Pix tem trazido vantagens para os bancos

(REUTERS/Adriano Machado)

  • Presidente do BC, Roberto Campos Neto, desmente Bolsonaro;

  • Segundo ele, os bancos não perderam receita com a criação do Pix;

  • Já Bolsonaro acredita que a adesão da Febraban à carta da Fiesp deve-se a prejuízos com o Pix.

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, desmentiu nesta quinta-feira (11) o presidente Jair Bolsonaro, dizendo que “não é verdade” que os bancos perderam dinheiro com o Pix e sim obtiveram uma série de vantagens.

A afirmação é feita após Bolsonaro e os ministros do governo criticarem a adesão da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) à carta da Fiesp em defesa da democracia e do sistema eleitoral. Segundo eles, a motivação é um suposto prejuízo e perda de receita provocados pela criação do Pix.

“Quero já dizer que não é verdade que os bancos perdem dinheiro com Pix, inclusive a gente deve em algum momento soltar algum tipo de estudo mostrando isso”, afirmou Campos Neto no evento Febraban Tech, em São Paulo.

Segundo o presidente do BC, a perda de receita em transferência é compensada pela abertura de novas contas e geração de novos modelos de negócios. “Você retira dinheiro de circulação que é um custo enorme para o banco, você aumenta a transação, o transacional aumenta”.

Conforme destacado pela coluna de Alvaro Gribel, do portal O Globo, o início do desenvolvimento do Pix aconteceu durante o governo Temer, época em que Ilan Goldfajn era presidente do BC. O sistema foi lançado em novembro de 2020.

Campos Neto ainda disse que a retirada de dinheiro físico de circulação, devido à adesão ao Pix, contribui para que os bancos reduzam suas despesas. "Nossa visão não é sobre quem está perdendo e quem está ganhando. O objetivo é que [os bancos] tenham um pedaço menor de uma torta muito maior. Isso já estamos vendo no sistema financeiro. A gente quer bancarizar, queremos competição com inclusão", apontou.

Lucro recorde

Apesar das afirmações de Bolsonaro, as instituições financeiras tiveram lucro recorde, estimado em R$ 132 bilhões, no ano passado. Este foi o melhor resultado em 27 anos. Segundo o BC, a melhora está relacionada ao crescimento da taxa de juros, redução de despesas com provisões (recursos que ficam apartados para fazer frente a eventuais perdas) e ganhos de eficiência.

A rentabilidade também foi positiva em 2021, após uma queda registrada no ano anterior por conta da pandemia de Covid-19. O chamado retorno sobre o patrimônio líquido do sistema bancário nacional alcançou 15,1% em dezembro do ano passado, contra 11,5% no fechamento de 2020.