Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.938,02
    -675,16 (-1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Bancos europeus ainda lucram em paraísos fiscais

·1 minuto de leitura
Ativistas da ONG Oxfam apresentam sketch para denunciar paraísos fiscais em Bruxelas, em 5 de dezembro de 2017 (AFP/EMMANUEL DUNAND)

Apesar de vários escândalos sobre a tributação de multinacionais, os bancos europeus não reduziram sua presença em paraísos fiscais nos últimos anos, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira (6).

Os principais bancos europeus registram todos os anos 20 bilhões de euros (23,7 bilhões de dólares) - ou seja, 14% dos seus lucros totais -, em 17 jurisdições fiscais especialmente favoráveis, segundo cálculos do Observatório Fiscal Europeu, centro de investigação independente com sede na Escola de Economia de Paris.

Esse percentual se mantém estável desde 2014, apesar de diversos escândalos que revelaram práticas duvidosas das multinacionais para sonegar impostos.

"Apesar da crescente importância dessas questões no debate público e no mundo da política, os bancos europeus não reduziram significativamente o uso de paraísos fiscais", diz o órgão, financiado pela Comissão Europeia e liderado pelo economista francês Gabriel Zucman.

O Observatório revisou os dados publicados por 36 instituições financeiras durante o período de 2014-2020 e identificou 17 Estados e territórios como destinos preferenciais, incluindo as Bahamas, as Ilhas Virgens Britânicas, as Ilhas Cayman, Jersey e Guernsey, Gibraltar, Hong Kong, Macau, Panamá e Luxemburgo.

Entre os grandes bancos, identificam o HSBC como o campeão dessas práticas. Mais de 62% de seus lucros antes de impostos foram contabilizados em paraísos fiscais entre 2018 e 2020, em comparação com 49,8% para o Monte dei Paschi (BMPS) da Itália, que ocupa o segundo lugar.

O Standard Chartered (29,8%) completa o pódio e os alemães Deutsche Bank e NordLB ocupam o quarto e o quinto lugares.

Em 2014, o escândalo LuxLeaks, seguido pelos Panama Papers, trouxe à tona a evasão fiscal. Desde então, um imposto mínimo sobre os lucros das multinacionais foi negociado na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

aro-ktr/soe/pc/jvb/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos