Mercado abrirá em 3 h 18 min
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,18
    +0,10 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.780,80
    -2,60 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    33.527,72
    -407,68 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    810,02
    -0,18 (-0,02%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.091,09
    +17,03 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.351,25
    +88,25 (+0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9329
    +0,0044 (+0,07%)
     

Bancos estrangeiros veem BC mais "hawkish" e elevam projeções após comunicado do Copom

·2 minuto de leitura
Fachada do Banco Central, em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - Os juros brasileiros devem agora subir mais rápida ou agressivamente, de acordo com uma série de grandes bancos globais, depois que o Banco Central deu um tom "hawkish" (duro com a inflação) ao comunicado que acompanhou sua decisão de elevar os custos dos empréstimos pela segunda vez consecutiva.

Morgan Stanley e BNP Paribas elevaram suas estimativas de Selic para o fim de 2021, enquanto Citi, Bank of America e Rabobank mantiveram suas previsões, mas agora preveem um ritmo mais rápido de aperto monetário, enquanto o Barclays disse que pode revisar suas previsões na próxima semana.

O aumento de 75 pontos-base na taxa Selic, para 3,50% ao ano, havia sido sinalizado pelas autoridades do BC e foi previsto por todos os 29 economistas consultados em pesquisa da Reuters.

Mas o tom do comunicado que acompanhou a decisão foi "hawkish", notavelmente o comentário de que não há compromisso firme com um processo de "normalização parcial" e que "os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar o cumprimento da meta de inflação".

"Agora acreditamos que (o Banco Central) terá que promover uma normalização total e aumentar os juros para 6,5% em 2021, contra nossa previsão anterior de 5,0%", escreveram o economista do BNP Paribas Gustavo Arruda e sua equipe em relatório com data de quinta-feira.

"Levando em consideração o ambiente de inflação mais desafiador, esperamos agora duas altas de 75 pontos-base em junho e agosto e três altas de 50 pontos-base em setembro, outubro e dezembro", disseram.

Economistas do Morgan Stanley elevaram sua previsão de Selic para 5,50%, de 5,00% anteriormente, enquanto a projeção para 2022 subiu a 6,50%, ante 6,00%.

Mauricio Une, do Rabobank, manteve sua previsão de mais 200 pontos-base de aperto neste ano, mas agora espera que isso aconteça dentro de três reuniões de política monetária, em vez de quatro.

Leonardo Porto, do Citi, disse que aguardará mais dados econômicos sólidos e a ata da reunião de política monetária para ter ideia mais clara de quanto tempo o Copom permanecerá com seu "processo de normalização parcial", mas "reconhecemos os riscos crescentes de uma taxa de juros mais alta".

(Por Jamie McGeever)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos