Mercado fechará em 5 h 44 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,14
    +0,26 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.929,20
    -1,60 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    23.536,05
    -250,75 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    537,69
    -7,62 (-1,40%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.852,10
    +31,94 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.737,75
    -109,00 (-0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5419
    +0,0522 (+0,95%)
     

Bancos dos EUA são pressionados a cortar laços com empresas de criptomoedas

Bitcoin Dólar e Bandeira dos Estados Unidos EUA
Bitcoin Dólar e Bandeira dos Estados Unidos EUA

Malvisto devido as diversas falências e golpes no ano passado, o setor de criptomoedas está em apuros. Agora, bancos estão sendo pressionados a cortarem laços com empresas criptos.

Um dos maiores exemplos é o banco Silvergate. Conhecido como o “Banco do Bitcoin” por seu envolvimento com diversas empresas de criptomoedas, a instituição revelou um prejuízo líquido de US$ 948,7 bilhões (R$ 4,9 bilhões) no ano passado.

Mesmo que os empréstimos à MicroStrategy — para comprar mais Bitcoin — sejam irrelevantes, a exposição do Silvergate à corretora FTX foi suficiente para derrubar o preço de suas ações pela metade em poucas semanas.

No último trimestre de 2022, uma onda de saques de US$ 8,1 bilhões (R$ 42 bi) pegou o Silvergate de surpresa.

Outro afetado foi o Signature Bank. Embora também fosse um banco amigável as criptomoedas, a Binance afirmou que o mesmo deixará de processar transações menores que US$ 100.000 (R$ 518.000) já no próximo mês de fevereiro, afetando a maioria dos usuários.

Como consequência da exposição às criptomoedas, os dois bancos precisaram recorrer ao Fed. Segundo o The Wall Street Journal, enquanto o Silvergate recorreu a um empréstimo de US$ 3,6 bilhões (R$ 18,65 bi) do Fed, o Signature colocou a mão em outros US$ 10 bilhões (R$ 51,8 bi).

Sendo assim, é natural que nenhum órgão americano esteja contente com este contágio.

No início deste ano, o Banco Central dos EUA (Federal Reserve), o Escritório de Controladoria da Moeda (OCC) e a Corporação Federal Asseguradora de Depósitos (FDIC) emitiram um alerta aos bancos. Enquanto isso, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) segue rejeitando pedidos de ETF de Bitcoin à vista.

Bancos foram afetados, mas não foram os únicos

Embora as somas apresentadas acima chamem atenção, o contágio das criptomoedas também afetou diversos setores além do bancário, o que pode ser ainda mais preocupante.

Obviamente, o maior exemplo é a falência da FTX. Como exemplo, a equipe de eSports TSM reincidiu um contrato de US$ 1 bilhão com a corretora. Outra afetada foi a equipe de F1 Mercedes. Além disso, a arena da equipe de basquete Miami Heat também removeu a FTX de seu nome no início deste ano.

Portanto, reguladores americanos estão tentando evitar que novos contágios ocorram, principalmente a bancos. No entanto, as próprias empresas já estão desconfiadas e evitando o envolvimento com o setor.

Fonte: Bancos dos EUA são pressionados a cortar laços com empresas de criptomoedas

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.