Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.475,50
    -2.428,59 (-6,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Bancos digitais ganham espaço entre brasileiros durante a pandemia

·2 minuto de leitura

Com cada vez mais opções no mercado, o brasileiro não precisa ficar limitado a cinco instituições bancárias na hora de escolher onde colocar seu dinheiro, podendo decidir pela empresa que oferece menores taxas e mais benefícios. E é por isso que as fintechs têm caído no gosto popular. De acordo com uma pesquisa do C6 Bank/Ipec, realizada em abril, 57% das pessoas com acesso à internet já têm contas em bancos digitais. Desse total, 10% abandonaram de vez as instituições tradicionais.

O levantamento, feito com dois mil brasileiros das classes A, B e C, ainda mostra que 36% dos entrevistados abriram conta em bancos digitais durante a pandemia, e dentre aqueles que já possuíam contas digitais, 78% passaram a usá-las mais durante a crise sanitária.

“Quando analisamos o histórico de um consumidor digitalizado, vemos que a trajetória natural para o ambiente digital começa pelas redes sociais, passando por e-commerce, para então chegar ao mundo financeiro. Com a pandemia, o digital tornou-se vital e as pessoas tiveram que fazer essa migração de forma mais rápida”, explica Maxnaun Gutierrez, head de Pessoa Física e Produtos do C6 Bank.

A necessidade de isolamento social levou 17% dos entrevistados a contabilizar mais de um ano sem pisar numa agência física. Outro impulso para esse resultado veio do auxílio emergencial, que pôde ser transferido para os bancos digitais antes do prazo previsto para saque em espécie.

A pesqusa ainda questinou em que tipo de instituição os brasileiros mais realizam transações como depósitos, saques e pagamentos. A maioria ainda usa os bancos tradicionais (65%), em comparação aos bancos digitais (31%).

No entanto, quando é feito um recorte por idade, uma coisa fica clara: os mais jovens estão mais conectados até mesmo na hora de cuidar de suas finanças. Entre os brasileiros que têm de 16 a 24 anos, os bancos digitais já superam os tradicionais (51% contra 41%).

As fintechs também se destacam quando o assunto é satisfação do cliente: 41% dos consumidores com conta em bancos digitais dizem estar totalmente satisfeitos. Já entre os entrevistados com conta em instituições convencionais esse percentual é de 25%.

Além disso, a maioria dos bancos digitais oferece a cesta de produtos bancários isenta de taxas, em aplicativos simples e acessíveis, levando a uma economia de até R$ 994 por ano, de acordo com análise do Proteste.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos