Mercado abrirá em 1 h 52 min
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,98
    +0,78 (+0,68%)
     
  • OURO

    1.827,10
    +13,10 (+0,72%)
     
  • BTC-USD

    30.469,40
    +397,89 (+1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    684,20
    +441,52 (+181,93%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.536,73
    +71,93 (+0,96%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.659,75
    +112,70 (+0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.491,75
    +247,00 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3059
    +0,0254 (+0,48%)
     

Bancos criam tarifas para Pix "empresarial"; fintechs apostam em isenção

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Uma das maiores vantagens do Pix, quando surgiu, era a isenção de taxas em quase todas as situações. Mas isso está mudando, com instituições financeiras adicionando tarifas aos poucos conforme o serviço se populariza. O Banco do Brasil, por exemplo, já cobra até R$ 140 por transação via Pix em contas jurídicas.

De acordo com o Estadão, o Santander pede, desde o início de janeiro, R$ 2,50 a cada operação de empresas via Pix Saque ou Pix Troco. A partir de 9 de fevereiro, o Banco do Brasil também deve cobrar R$ 2,90 a cada saque nessa modalidade. Dos grandes bancos, só a Caixa (ainda) não tem taxas para pessoas jurídicas.

Isso favorece as fintechs que se dedicam às pequenas empresas, pois elas conseguem oferecer o Pix com facilidades e taxas menores. Nubank, Inter e C6 não têm tarifas para Pix de empresas. Já o Mercado Pago retira
0,99% de cada transação; no entanto, Microempreendedores Individuais (MEI), empresas individuais (EI) e pequenos negócios estão isentos desse percentual.

Apesar das tarifas, o Pix continua vantajoso para empresas (Imagem: André Magalhães/Canaltech)
Apesar das tarifas, o Pix continua vantajoso para empresas (Imagem: André Magalhães/Canaltech)

Apesar das tarifas, o serviço continua mais vantajoso do que outras modalidades. No Banco do Brasil, por exemplo, o recebimento de um Pix para a empresa custa 0,99% do valor da transação, mas limitado a R$ 140. Ou seja, só pagará este teto quem receber Pix pouco acima de R$ 14 mil, um teto que poucas vezes deve acontecer. Já uma transferência por TED ou DOC pode custar de R$ 5 a R$ 21, mesmo com quantias bem menores que R$ 14 mil.

O gerente executivo da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), Daniel Sakamoto, recomenda que os empresários pesquisem e comparem as tarifas dos serviços e instituições à disposição no mercado. "A adoção do Pix reduziu os custos, mas as taxas podem retirar parte dessa vantagem. O micro e o pequeno empresário tem que fazer conta pequena mesmo, tudo pesa. Por isso é importante pesquisar", disse ao Estadão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos