Mercado fechará em 27 mins
  • BOVESPA

    107.665,07
    +107,40 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.865,04
    -53,24 (-0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,24
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.785,40
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    50.505,59
    -625,98 (-1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.316,54
    +11,42 (+0,87%)
     
  • S&P500

    4.690,07
    +3,32 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    35.653,27
    -66,16 (-0,19%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.338,25
    +20,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2929
    -0,0468 (-0,74%)
     

Bancos centrais trazem poderosa munição para batalha climática

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Bancos centrais possuem a chave para uma das alavancas mais importantes na batalha contra a mudança climática: o dinheiro.

Além das promessas de incorporar a mudança climática nas decisões e mandatos de política monetária, potencialmente afetando trilhões de dólares em ativos financeiros, alguns avaliam penalidades sobre garantias atreladas às emissões. Outros têm obrigado bancos a abordarem riscos climáticos por meio dos chamados testes de estresse, que somam os custos aos seus balanços.

A visão dos bancos centrais é a de que os danos ambientais e a transição para uma economia do chamado zero líquido são riscos econômicos e financeiros. Bancos, seguradoras e investidores não podem ignorá-los, e reguladores ajustam a política para desviar o sistema financeiro do financiamento de combustíveis fósseis. Na véspera da conferência COP26 de líderes globais, o Banco da Inglaterra ameaçou medidas duras contra empresas que não conseguirem gerenciar os riscos climáticos a partir de 2022.

Embora as advertências de autoridades monetárias ecoem parte do que cientistas e ativistas vêm dizendo há anos, suas vozes não podem ser ignoradas nas salas de reuniões. Reguladores também têm o poder de penalizar bancos por estarem excessivamente expostos a indústrias poluentes, ordenando que reservem mais capital para compensar o risco.

O governador do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, e Frank Elderson, membro do conselho executivo do Banco Central Europeu, tinham planos de discutir o assunto na quarta-feira, juntamente com uma reunião a portas fechadas com presidentes de bancos centrais e ministros das Finanças reunidos na COP26 em Glasgow.

Nem todas as instituições avançam na mesma velocidade. O Federal Reserve dos EUA tem se destacado como retardatário, embora isso esteja mudando sob a supervisão da secretária do Tesouro, Janet Yellen. Ela se encontrou com líderes do setor financeiro em Glasgow na terça-feira para pedir que canalizem mais capital para o combate à mudança climática.

No mês passado, um painel com os principais reguladores liderado por Yellen declarou a questão uma “ameaça emergente” à estabilidade financeira, indicando que as agências devem tomar medidas para reduzir o risco.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos