Mercado abrirá em 6 h 3 min
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,79
    +0,35 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.775,90
    +10,20 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    62.457,73
    +155,77 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.459,89
    +8,25 (+0,57%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.707,07
    +297,32 (+1,17%)
     
  • NIKKEI

    29.189,62
    +164,16 (+0,57%)
     
  • NASDAQ

    15.301,75
    +11,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4140
    +0,0225 (+0,35%)
     

Bancos centrais pisam no freio ao reduzir estímulo da pandemia

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A política de afrouxamento monetário global deve permanecer ao longo de 2022, mesmo com bancos centrais próximos de reduzir o apoio de emergência diante das crescentes pressões inflacionárias.Na última semana, o Federal Reserve sinalizou que começará a reduzir as enormes compras de títulos já em novembro, e o Banco da Inglaterra sugeriu, pela primeira vez, que pode aumentar as taxas de juros neste ano. A Noruega se tornou a primeira economia desenvolvida a subir as taxas, e os juros também aumentaram no Brasil, Paraguai, Hungria e Paquistão.

Most Read from Bloomberg

Por trás do aperto está a percepção de que a inflação se mostra mais teimosa. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico elevou as projeções para os preços ao consumidor, que devem subir 3,7% no Grupo dos 20 em 2021 e 3,9% no próximo ano.

As cadeias de suprimentos estão sob pressão em vários setores, de semicondutores a carros, os preços dos alimentos e da energia estão subindo, alguns mercados já enfrentam falta de mão de obra e a demanda aumenta após os lockdowns.Ao mesmo tempo, a recuperação global não é certa, complicando a tarefa dos bancos centrais, já que alguns até enfrentam a perspectiva de leve estagflação, sob a qual os preços sobem e a expansão desacelera em meio à propagação da variante delta, com muitos ainda não vacinados. Fabricantes globais relataram na semana passada que a atividade continua desacelerando, e legisladores americanos estão em desacordo sobre o aumento do limite da dívida federal.Também há divergências. Na semana passada, o Banco do Japão não deu nenhuma indicação de retirada do estímulo, enquanto o Banco Popular da China realizou a maior injeção de capital de curto prazo em oito meses no sistema financeiro com a tensão dos mercados devido à crise de caixa da gigante imobiliária China Evergrande.O Banco Central Europeu tem rejeitado sugestões de redução do estímulo, e uma autoridade até mesmo levantou a possibilidade de aumentar as compras regulares de ativos assim que o programa da pandemia acabar. O banco central da Turquia remou contra a maré global na semana passada e cortou os juros, embora em meio à pressão do governo.

E até mesmo o Fed mudou a estratégia desde que elevou os juros pela última vez, argumentando que não há problemas em deixar a economia dos EUA um pouco mais aquecida do que o normal, na esperança de que isso diminua o desemprego e traga mais pessoas para a força de trabalho.

O resultado é que enquanto alguns bancos centrais de países ricos podem estar se preparando para pisar no freio e muitos mercados emergentes já estejam reduzindo o estímulo, a política monetária global ultrafrouxa continuará presente por um tempo.Economistas do JPMorgan Chase estimam que bancos centrais de mercados desenvolvidos ainda adicionarão US$ 1,5 trilhão em ativos aos balanços em 2022 e que as taxas de juros globais aumentarão apenas 11 pontos-base ao longo do próximo ano, para uma média de 1,48%, ainda cerca de 80 pontos-base abaixo do nível pré-pandemia.

O aumento cumulativo das taxas de juros mundiais até agora permanece menor do que nos ciclos de aperto anteriores, o que significa que a maioria dos bancos centrais permanecerá com políticas acomodativas no próximo ano, de acordo com análises feitas por economistas do UBS.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos