Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.388,02
    +166,46 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5320
    +0,0203 (+0,37%)
     

Bancos centrais erraram e economias pagam o preço

(Bloomberg) -- Mesmo após os bancos centrais reconhecerem que erraram em suas previsões para inflação no ano passado, eles continuam a se atrapalhar com suas indicações de política monetária e arriscam causar mais danos à sua credibilidade, perturbar os mercados e minar a recuperação pós-pandemia.

Espera-se agora que o Federal Reserve aumente juros em 0,75 ponto percentual nesta quarta-feira, apenas algumas semanas após o presidente Jerome Powell e sua equipe repetidamente anunciarem um movimento de meio ponto percentual. É a mais recente de uma série de falhas, desde considerar a inflação alta “transitória” no ano passado a acelerar o fim do programa de compra de títulos e o escolhimento de sua carteira de títulos.

A presidente do Banco Central Europeu Christine Lagarde se tornou mais hawkish do que havia indicado anteriormente, e o Reserve Bank of Australia está entre os que aumentam juros mais rápido do que os dirigentes haviam sinalizado.

Os investidores temem que a corrida para compensar erros de previsão anteriores aumenta o risco de recessão. As ações globais entraram em um mercado de baixa, os rendimentos do Tesouro dos EUA na segunda-feira registraram seu maior salto de dois dias desde a década de 80 e os mercados de títulos corporativos mostram cada vez mais sinais de estresse.

O Conselho do BCE se reuniu na quarta-feira “para discutir as condições atuais do mercado”, enquanto o confronto entre os operadores de títulos e o Banco do Japão aumenta rapidamente à medida que o banco central luta para convencer os mercados de que sua política monetária ultrafrouxa é sustentável, com os futuros de títulos de dez anos caindo mais desde 2013 na quarta-feira.

Os erros cometidos pelas autoridades mancham a reputação de garantir a estabilidade de preços e evitar o tipo de espiral inflacionária que atingiu a renda da classe média na década de 70. A perda de credibilidade significa que uma ação de política monetária ainda maior pode ser necessária para neutralizar as pressões de preços.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos