Mercado abrirá em 5 h 18 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,98
    +0,23 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.732,20
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    49.777,81
    +1.105,91 (+2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.000,14
    +12,04 (+1,22%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.613,75
    +25,22 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    29.860,09
    +764,23 (+2,63%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.176,75
    +121,50 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8698
    +0,0077 (+0,11%)
     

Bancos brasileiros têm maior ‘tombo’ dos últimos 21 anos

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
"Tombo" do Banco do Brasil foi maior. (Foto: Getty Images)
"Tombo" do Banco do Brasil foi maior. (Foto: Getty Images)

Dados levantados pela consultoria Economatica apontam que os quatro maiores bancos brasileiros tiveram, no ano passado, o maior “tombo” em seus lucros desde 2000 – ou seja, dos últimos 21 anos.

Leia também:

As informações são do portal de notícias UOL.

Segundo a reportagem, o recuo foi de 24,4%. Com valores ajustados pela inflação, esse “tombo” é ainda maior, equivalente a 26,7%.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Ainda assim, os valores impressionam. No ano passado, Bradesco, Banco do Brasil, Itaú Unibanco e Santander (o “quarteto gigante” do setor bancário brasileiro) tiveram, somados, ganhos na casa dos R$ 61,6 bilhões.

O recorde de lucro veio em 2019: com impressionantes R$ 81,51 bilhões, segundo números da Economatica.

Dos quatro bancos, quem perdeu mais na margem de lucros foi o Banco do Brasil: 30,1% em relação ao ano anterior.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube