Mercado fechará em 6 h 10 min
  • BOVESPA

    122.053,40
    +1.347,49 (+1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.869,15
    +39,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,83
    +1,01 (+1,58%)
     
  • OURO

    1.841,20
    +17,20 (+0,94%)
     
  • BTC-USD

    50.825,94
    +406,94 (+0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.412,32
    +53,76 (+3,96%)
     
  • S&P500

    4.148,61
    +36,11 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    34.280,81
    +259,36 (+0,76%)
     
  • FTSE

    7.021,27
    +57,94 (+0,83%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.243,50
    +143,25 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3824
    -0,0301 (-0,47%)
     

Bancos apertaram condições de crédito no 3º trimestre, diz BCE

Piotr Skolimowski
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os padrões de crédito se tornaram mais restritos na zona do euro no terceiro trimestre, disse o Banco Central Europeu na terça-feira, um sinal de que bancos começaram a limitar empréstimos antes mesmo do recente aumento de casos de coronavírus.

As diretrizes internas dos bancos se tornaram mais rigorosas entre julho e setembro para empréstimos corporativos, hipotecas, crédito ao consumidor e outros financiamentos às famílias, de acordo com pesquisa do BCE sobre a oferta de crédito do setor.

Bancos esperam que as condições crédito sejam mais apertadas para empresas no quarto trimestre, o que reflete “preocupações em torno da recuperação econômica, visto que alguns setores permanecem vulneráveis, bem como incertezas em torno do prolongamento das medidas de apoio fiscal”, segundo o relatório.

As evidências de que a obtenção de empréstimos está mais difícil devem estar na agenda do Banco Central Europeu na quinta-feira, quando autoridades discutirão se a economia precisa de mais apoio monetário. A presidente do BCE, Christine Lagarde, deve sinalizar que o programa de compra de títulos de emergência de 1,35 trilhão de euros (US$ 1,6 trilhão) será elevado ainda neste ano.

Ao mesmo tempo, bancos esperam que a demanda líquida por empréstimos corporativos se recupere no quarto trimestre, depois de cair nos três meses anteriores devido à menor necessidade de liquidez emergencial relacionada à pandemia de coronavírus. A demanda por crédito imobiliário tende a diminuir.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.