Mercado fechado

Banco Mundial vê resposta exemplar à pandemia em partes da América Latina

Fabio Graner
·3 minutos de leitura

Entidade destaca política anticíclica bem-sucedida apesar da região se destacar como a mais afetada pela covid-19 “A forte resposta à crise da covid-19 pode ser lembrada como um dos primeiros exemplos de política fiscal anticíclica bem-sucedida em grandes áreas da região [América Latina e Caribe]”, na avaliação do Banco Mundial, divulgada no estudo “O Custo de se Manter Saudável”, divulgado nesta sexta feira. “Um primeiro estudo de base para este relatório mostra que o multiplicador fiscal dos gastos públicos é muito maior na região do que nas economias avançadas. E é consistentemente grande para os países com maior e transferências sociais mais bem direcionadas”, explica o documento. Mulher se protege do coronavírus em Quito, no Equador AP Foto / Dolores Ochoa Apesar disso, o organismo multilateral destaca que a América Latina e o Caribe foi a região do mundo mais duramente atingida pela covid-19. O quadro de mortes por milhão foi semelhante ao de países avançados, sem, contudo, que os países tivessem a mesma capacidade de reação ao choque, principalmente depois de anos de dificuldade econômica. Dessa forma, por múltiplos canais, os efeitos econômicos foram severos. O documento pondera, contudo, que alguns impactos econômicos não foram tão grandes quanto o esperado em fatores como comércio e finanças. Além disso, o uso “notavelmente grande” de pacotes de estímulo adotados por vários governos ajudou a mitigar os impactos da crise. ] “Cinco dos dez programas de transferência social com o a cobertura populacional mais ampla do mundo em desenvolvimento está na região”, diz o texto. O banco pondera, entretanto, que os países precisam já avaliar como retomar o processo de consolidação fiscal. “Transferências sociais de base ampla podem ser necessárias por enquanto. No entanto, daqui para frente, os governos da região podem precisar considerar caminhos para a consolidação fiscal. Reorientar impostos e despesas do governo de uma forma que apoie a criação de empregos, prestação de serviços e o desenvolvimento de infraestrutura também será necessário para colocar a região de volta em um caminho de inclusão e crescimento sustentável”, diz o documento. Recuperação O texto aponta o risco de os países conviverem por muito anos com esse problema da covid-19, dadas as dúvidas sobre quando uma vacina estará disponível e da capacidade financeira de os países a adquirirem em quantidade suficiente. Mas há um cenário de recuperação verificado a partir do terceiro trimestre deste ano. O escritório do Banco Mundial no Brasil, por enquanto, divulgou apenas o sumário executivo do relatório e as projeções de crescimento. O estudo constata que, na ausência de medidas de contenção, as mortes aumentam mais lentamente nas populações mais pobres. “Parte disso pode apenas refletir sua capacidade mais fraca de registrar falecimentos e identificar suas causas. Mas mostra que a progressão das mortes de covid-19 é mais rápida em países mais urbanizados e com populações mais velhas, entre outras características. Em todas, a América Latina e o Caribe são mais vulneráveis à covid-19 do que outras regiões em desenvolvimento”, destaca o resumo. O documento também indica que quarentenas e bloqueios são menos eficazes na contenção de mortes em países mais pobres e que o custo econômico também é menor. “Os mecanismos subjacentes a essas diferentes dinâmicas não são claros neste estágio. Uma parte maior do população que vive em favelas lotadas, com acesso limitado à água, pode explicar a eficácia parcial do bloqueios para conter a propagação da doença”, explica o texto. O Banco Mundial lembra ainda que há uma variedade considerável entre os grupos de países. “O exercício simplesmente mostra que alguns países se saíram melhor do que outros, pois sofreram um custo econômico mais baixo pelo mesmo custo de saúde, ou um custo de saúde mais baixo pelo mesmo custo econômico. A experiência dos países na "fronteira" em cada grupo pode oferecer percepções valiosas para outros em um momento em que a covid-19 ainda não foi suprimida”, comenta.