Mercado fechado

Banco Mundial quer US$ 12 bilhões para financiar vacina em países pobres

·1 minuto de leitura
Sede do Grupo Banco Mundial, em Washington, DC, em 15 de abril de 2020
Sede do Grupo Banco Mundial, em Washington, DC, em 15 de abril de 2020

O Banco Mundial revelou nesta terça-feira (29) que pediu ao seu conselho diretor a aprovação de 12 bilhões de dólares para ajudar os países mais pobres a comprar e distribuir possíveis vacinas contra o novo coronavírus.

O banco já implementou programas de resposta a emergências em 111 países e o dinheiro extra, se aprovado, seria destinado a países de baixa e média renda. Os fundos seriam distribuídos ao longo de 12 a 18 meses.

"Uma vacina eficaz e segura contra a covid-19 é o caminho mais promissor para a reabertura segura do mundo", afirmou um porta-voz do Banco Mundial. "A economia global não se recuperará totalmente até que as pessoas sintam que podem viver, socializar, trabalhar e viajar com confiança", acrescentou.

As vacinas ainda não estão disponíveis comercialmente, mas o presidente do Banco Mundial, David Malpass, disse ao jornal francês Le Figaro que "o processo de distribuição de uma vacina é complexo" e que é importante antecipar as necessidades associadas a ele.

"Queremos que os países mais pobres tenham acesso [a uma vacina] e, nesses países, queremos que as pessoas mais vulneráveis e os profissionais de saúde sejam vacinados", afirmou.

Segundo Malpass, a instituição de financiamento ao desenvolvimento com sede em Washington tem experiência com programas de imunização, como aqueles contra a poliomielite e o sarampo, assim como na gestão de crises como os surtos de ebola.

O Banco Mundial bateu um recorde de 45 bilhões de dólares em apoio financeiro entre abril e junho, enquanto a economia global contraía em meio à pandemia de covid-19.

dt/cs/jm/ic