Mercado abrirá em 2 h 8 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,14
    +0,96 (+1,60%)
     
  • OURO

    1.743,90
    -3,70 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    64.142,87
    +1.026,34 (+1,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.383,72
    +89,73 (+6,93%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.904,24
    +13,75 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.000,00
    +24,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8359
    +0,0047 (+0,07%)
     

Banco Mundial prevê Brasil entre as economias com pior desempenho na América Latina em 2021

EDUARDO CUCOLO
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Banco Mundial projeta crescimento de 3% para a economia brasileira em 2021, número próximo das estimativas do governo e do setor privado e que coloca o país entre os dez com resultados mais fracos esperados para 29 economias da América Latina e Caribe, segundo relatório divulgado nesta segunda-feira (29). Em 2020, a economia brasileira encolheu 4,1%, a sexta menor queda e um resultado acima da média de -6,7% na região, que deve ter expansão de 4,4% em 2021, segundo o Banco Mundial. O Brasil foi o país com maior gasto para enfrentamento da pandemia, devido ao auxílio emergencial. A América Latina e o Caribe sofreram mais danos sanitários e econômicos devido à pandemia da Covid-19 do que qualquer outra região, embora haja potencial para uma transformação significativa em setores-chave à medida que a região começa a se recuperar, diz o relatório do banco. O número de mortes, por exemplo, cresceu quase 90% na região, o triplo do aumento verificado na média mundial, enquanto a retração econômica foi maior do que em outros blocos de países. Para 2021, não há perspectiva de um ritmo de vacinação que confira imunidade à população da América Latina neste ano, segundo o banco. "Os danos são graves e estamos diante de muito sofrimento, especialmente entre os mais vulneráveis", disse Carlos Felipe Jaramillo, vice-presidente do Banco Mundial para a região. "Mas devemos sempre olhar adiante e aproveitar esta oportunidade de abraçar as transformações necessárias para garantir um futuro mais brilhante". Para a instituição, a turbulência causada pela pandemia pode contribuir para uma maior produtividade por meio da reestruturação econômica e da digitalização. Há também oportunidades de crescimento decorrentes de inovações no setor elétrico, principalmente energia limpa. Martín Rama, economista-chefe do banco para a região, afirma que a crise da Covid-19 terá impacto prolongado sobre as economias locais. Ele citou três questões de longo prazo. A primeira é o fechamento de escolas por muito tempo e sem que grande parte da população tivesse acesso a meios alternativos de aprendizado. O segundo, o elevado desemprego, que se soma ao primeiro problema para gerar uma expectativa de salários piores no futuro, principalmente para as mulheres. Uma terceira questão é o alto endividamento público e privado, que pode gerar tensão no setor financeiro e retardar a recuperação. Segundo Rama, o adiamento de vencimentos de dívidas não permite saber, por exemplo, qual a real situação das empresas da região. Além disso, os países têm o desafio de equilibrar a situação fiscal diante da necessidade de novos gastos. "Continuar ajudando as pessoas é necessário e, ao mesmo tempo, precisamos avançar rumo a uma consolidação [fiscal]", afirmou Rama. O economista-chefe afirma ainda que a América Latina adotou políticas muito fortes de contenção da pandemia em relação a outras regiões, mas que não funcionaram tão bem. Em alguns casos, por falta de infraestrutura de moradia e de suporte econômico. Apesar das dificuldades, ele afirma que há muitas oportunidades para a região voltar a crescer, destacando os bons resultados de setores como de tecnologia e informação e financeiro. "Mesmo em um momento em que estamos lidando com dificuldades, há boas perspectivas, e esperamos que a América Latina saiba aproveitar."