Mercado fechará em 5 h 35 min
  • BOVESPA

    102.437,63
    +522,18 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,29
    +2,11 (+3,19%)
     
  • OURO

    1.785,60
    +9,10 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    57.383,45
    -669,06 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.471,79
    +29,02 (+2,01%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.153,71
    +94,26 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.368,25
    +217,75 (+1,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3573
    -0,0127 (-0,20%)
     

Banco Mundial pretende substituir relatório cancelado "Doing Business" em dois anos

·2 min de leitura
Logo do Grupo Banco Mundial

Por Andrea Shalal

WASHINGTON (Reuters) - O Banco Mundial planeja apresentar em cerca de dois anos um substituto para seu relatório "Doing Business" sobre o clima de negócios dos países, que foi cancelado após escândalo de manipulação de dados, afirmou à Reuters a economista-chefe, Carmen Reinhart.

Reinhart, que foi promovida a gerente sênior como parte da tentativa do banco de reconstruir sua credibilidade após as preocupações relacionadas a ética, disse que alguns conceitos importantes para o novo produto já estão claros.

Isso inclui um mandato para mais transparência sobre a metodologia, maior confiabilidade em dados de pesquisa das empresas e menos foco em ranquear os países.

"A divulgação pública é um pilar importante para restaurar a credibilidade", disse Reinhart.

O banco também enfatizará os dados de pesquisa para reduzir o papel do julgamento e eliminar o aspecto de "concurso de beleza" das classificações.

Em setembro, a diretoria do banco cancelou a publicação da classificação anual "Doing Business" após uma análise externa de irregularidades de dados nas versões de 2018 e 2020 alegar que funcionários de alto escalão do banco -- incluindo a então presidente-executiva Kristalina Georgieva, que agora dirige o Fundo Monetário Internacional (FMI) -- pressionaram funcionários para fazer alterações.

O conselho do FMI apoiou Georgieva após uma longa revisão das alegações, mas ela ainda pode ser envolvida na segunda revisão.

Reinhart disse que a saga abalou a credibilidade do Banco Mundial e que levará tempo e esforço para reconstruir a confiança.

"É importante que as métricas de credibilidade não sejam baseadas na personalidade, mas sim nos sistemas", disse ela, acrescentando que o banco instituiu "muitas salvaguardas" no ano passado, após revisar vários relatórios externos.

"Nada na vida é à prova de falhas, mas reduz a capacidade de uso indevido e abuso", disse ela. "Esperançosamente, a credibilidade virá. Você sabe, credibilidade é algo difícil de estabelecer e fácil de perder. Mas o tempo dirá."

(Por Andrea Shalal)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos