Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,36
    +0,46 (+0,71%)
     
  • OURO

    1.833,00
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    57.995,45
    -677,67 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,85 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.736,25
    +26,50 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Banco Mundial espera que preços de commodities sigam firmes com crescimento econômico

·2 minuto de leitura
Logo do Banco Mundial durante conferência em Bali, Indonésia

CINGAPURA (Reuters) - Os preços globais de commodities deverão seguir firmes em 2021, ao redor dos níveis atuais, após uma recuperação no primeiro trimestre guiada pelo forte crescimento econômico, disse o Banco Mundial nesta terça-feira.

A média das cotações de energia tende a ficar mais de um terço acima da registrada em 2020, com o petróleo sendo negociado em torno de 56 dólares por barril, segundo a instituição. Em 2022, os preços devem subir para 60 dólares/barril, "amplamente em linha com a média de 2017-19."

Os metais devem avançar 30%, enquanto os mercados agrícolas deverão subir quase 14%.

Mesmo assim, o Banco Mundial disse que o cenário é amplamente dependente do progresso na contenção da pandemia de Covid-19, bem como de políticas de suporte em economias avançadas.

"O crescimento global tem sido mais forte do que o esperado até agora e as campanhas de vacinação estão em andamento, tendências que têm impulsionado os preços das commodities. No entanto, a durabilidade da recuperação é bastante incerta", disse Ayhan Kose, vice-presidente em exercício do Grupo Banco Mundial para crescimento equitativo, finanças e instituições, além de diretor do grupo de perspectivas.

"Os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento, tanto exportadores quanto importadores de commodities, devem fortalecer sua resiliência no curto prazo e se preparar para a possibilidade de que o crescimento perca impulso", acrescentou.

Uma retirada de estímulos de forma mais rápida do que o esperado por parte de algumas das principais economias emergentes pode representar um risco negativo para os preços dos metais, mas os gastos mais elevados em infraestrutura pelos EUA tendem a apoiar algumas dessas commodities, incluindo alumínio, cobre e minério de ferro.

Já no fronte agrícola, houve uma recuperação diante da forte demanda chinesa e de problemas de produção na América do Sul, mas a maior parte dos mercados globais de alimentos segue adequadamente abastecida conforme os padrões históricos, disse o Banco Mundial.

A inflação dos alimentos na América Latina, Oriente Médio e África teve média de quase 9% entre janeiro e fevereiro de 2021, e há risco de que a inflação de preços aumente caso as disparadas recentes nos preços globais de alimentos "seja repassada aos mercados domésticos", acrescentou a instituição.

(Reportagem de Naveen Thukral)