Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.989,52
    +315,02 (+0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Banco Mundial espera preços de commodities estáveis em 2021

·2 minuto de leitura
A maioria dos preços das commodities está mais alta agora do que antes, uma situação que o Banco Mundial atribuiu à rápida recuperação da China

Os preços mundiais das commodities vão se manter próximos aos níveis atuais durante 2021, após os ganhos registrados no primeiro trimestre devido à recuperação econômica que se seguiu ao colapso provocado pela pandemia da covid-19 no ano passado, comentou nesta terça-feira (20) o Banco Mundial.

Os preços da energia deverão ser um terço mais altos do que em 2020, com o petróleo a 56 dólares o barril, em média. Para os metais, o organismo espera um aumento de 30% nos preços, enquanto os preços agrícolas deverão subir quase 14%.

No entanto, o Banco Mundial alertou que essas previsões dependem do avanço do controle da pandemia, bem como das medidas de apoio nas economias avançadas e das decisões dos principais produtores de matérias-primas.

"O crescimento mundial tem sido mais forte do que o esperado até agora e as campanhas de vacinação estão em andamento, e essas tendências impulsionaram os preços das commodities", disse Ayhan Kose, vice-presidente em exercício de crescimento equitativo, finanças e instituições do Banco Mundial e diretor do Grupo de Perspectivas.

"No entanto, a durabilidade da recuperação é muito incerta", frisou.

Kose pediu às economias emergentes e em desenvolvimento, tanto exportadoras quanto importadoras de commodities, que "fortaleçam sua resiliência no curto prazo e se preparem para a possibilidade de o crescimento perder força".

Para o petróleo, que após atingir mínimos históricos subiu devido à recuperação econômica e cortes de produção decididos pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus parceiros, o Banco Mundial projeta uma estabilização da demanda em 2021, com um preço médio de US$ 60 o barril em 2022.

Quanto aos metais, o organismo estima que os preços cederão parte dos ganhos deste ano, à medida que o crescimento impulsionado pelos pacotes de estímulo desaparecer gradualmente em 2022.

O plano de infraestrutura planejado nos Estados Unidos pode sustentar os preços dos metais, incluindo alumínio, cobre e minério de ferro, apontou.

Em relação aos preços agrícolas, que aumentaram substancialmente este ano impulsionados pela forte demanda da China e pela oferta restrita na América do Sul, o Banco Mundial espera que se estabilizem em 2022.

O relatório enfatiza, porém, que a pandemia continuará a pesar na insegurança alimentar em 2021 e 2022.

"Embora os mercados de alimentos sejam bem abastecidos globalmente, a covid-19 afetou severamente os mercados locais de alimentos e de trabalho em todo o mundo, reduzindo a renda, interrompendo as cadeias de abastecimento e intensificando as preocupações com a segurança alimentar e nutricional que estavam presentes mesmo antes da pandemia", disse Kose.

ad/rs/mr