Mercado abrirá em 7 h 3 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.870,60
    +4,10 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    34.328,80
    -333,81 (-0,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    678,61
    -22,01 (-3,14%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    30.012,19
    +369,91 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    28.782,68
    +149,22 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    13.385,75
    +91,50 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4177
    -0,0809 (-1,24%)
     

Banco Mundial divulga diagnóstico pessimista da economia devido à pandemia

Luc OLINGA
·4 minuto de leitura

O Banco Mundial divulgou nesta terça-feira (5) um diagnóstico pessimista da economia mundial devido à covid-19, e alertou que sua recuperação dependerá em grande parte da rapidez com que serão implementadas as campanhas de vacinação em massa.

A instituição reduziu sua previsão de crescimento no mundo para 2021, embora considere que a queda da economia em 2020 tenha sido "menos forte" que o esperado, com um retrocesso de 4,3% contra os 4,5% previstos em junho passado.

Para o Brasil, a primeira economia latino-americana, espera-se um crescimento de 3%, impulsionado por uma retomada do consumo e do investimento privado.

O PIB mundial deve crescer 4% este ano, uma redução de 0,2 ponto percentual em comparação com a última projeção, detalhou a instituição em sua perspectiva econômica mundial.

As novas previsões são reflexo do panorama sanitário no final de 2020 em todo o planeta, onde os casos de covid-19 continuam aumentando e surgiram novas variantes do coronavírus. Tudo isso leva a novas restrições, que perturbam ainda mais a atividade econômica, especialmente nos Estados Unidos e na Europa.

Esses contratempos, cuja consequência é a desaceleração do crescimento, também provocaram, segundo o Banco Mundial, uma redução "considerável" de receita pública e privada. Por um lado, as receitas fiscais caíram. Por outro, as demissões em massa afetaram o poder de compra das famílias.

"É provável que a recuperação seja moderada, a menos que os responsáveis pela formulação de políticas atuem com decisão para controlar a pandemia e apliquem reformas que aumentem os investimentos", alerta a instituição, que acredita que "as perspectivas a curto prazo continuam muito incertas".

O cenário mais pessimista, se as infecções de covid-19 continuarem crescendo e as campanhas de vacinação atrasarem, prevê uma expansão de apenas 1,6% em 2021.

Caso contrário, a hipótese mais otimista - controle da pandemia e aceleração das vacinações - aponta para um crescimento de quase 5%.

- Recuperação leve -

Na América Latina e Caribe, o organismo multilateral prevê uma expansão econômica de 3,7% este ano, melhor que sua previsão anterior de um crescimento de 2,8% para a região, publicada em junho.

"Espera-se que a atividade econômica regional cresça 3,7% em 2021, à medida que se flexibilizem as iniciativas para mitigar a pandemia, se distribuam vacinas, se estabilizem os preços dos principais produtos básicos e melhorem as condições externas", afirmou o Banco Mundial.

A instituição destacou, no entanto, que a recuperação que chegará após uma década de crescimento lento "será muito leve".

Alertou também que um cenário negativo, com atrasos na distribuição das vacinas contra a covid-19 e efeitos econômicos secundários, poderiam reduzir o aumento do Produto Interno Bruto (PIB) para 1,9%.

- Economias avançadas prejudicadas -

Após uma contração estimada em 3,6% em 2020, o PIB dos Estados Unidos deve recuperar até 3,5% em 2021, 0,5 ponto percentual a menos que na previsão anterior.

A zona do euro registrará uma expansão de 3,6%, após uma queda de 7,4% em 2020, enquanto o Japão crescerá somente 2,5% em 2021 após uma contração de 5,3% em 2020.

No caso da zona do euro, o Banco Mundial reduziu significativamente a perspectiva de crescimento, enquanto a previsão japonesa permanece inalterada.

A atividade econômica será um pouco mais robusta nos mercados emergentes e nas economias em desenvolvimento.

O Banco Mundial espera que esses países cresçam 5% este ano, principalmente graças à China, que crescerá 7,9% após uma contração de 2,6% em 2020.

- Crises de dívida -

"A pandemia causou um grande número de mortes e doenças, afundou milhões de pessoas na pobreza", afirmou o Banco Mundial, que pede aos governos reformas e programas de investimento em massa para melhorar os serviços de saúde, educação e infraestrutura digital.

"É provável que a desaceleração do crescimento mundial prevista para a próxima década se agrave devido à falta de investimentos, ao subemprego e à redução da força de trabalho em muitas economias avançadas", alertou.

Embora o Banco Mundial manifeste com frequência sua preocupação com o acúmulo da dívida dos países em desenvolvimento e das economias emergentes, desta vez apontou que a pandemia exacerbou seus riscos de endividamento e o lento crescimento.

Isso aumenta ainda mais o peso da dívida e prejudica a capacidade dos países devedores em reembolsá-la.

"É necessário que a comunidade mundial aja com rapidez e determinação para garantir que o recente acúmulo de dívidas não resulte em uma série de crises de dívida", alertou Ayhan Kose, chefe da divisão de crescimento justo, finanças e instituições, citado em um comunicado de imprensa.

"O mundo em desenvolvimento não pode permitir outra década perdida", completou.

lo/vmt/jul/pcm/ll/lda/aa/mvv