Mercado abrirá em 5 h 59 min
  • BOVESPA

    117.560,83
    +362,83 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,88 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,24
    -0,21 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.717,80
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    19.869,37
    -346,36 (-1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    452,50
    -10,63 (-2,29%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,96 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    17.772,12
    -240,03 (-1,33%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.479,25
    -62,50 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0860
    -0,0275 (-0,54%)
     

Banco Mundial aumenta financiamento de vacinas contra a covid

·1 min de leitura
A sul-africana Aspen Pharmacare receberá um financiamento para acelerar a produção da vacina anticovid à medida que o Banco Mundial aumentar o apoio para a distribuição de vacinas em países em desenvolvimento

O Banco Mundial adicionou 8 bilhões de dólares para elevar a US$ 20 bilhões sua ajuda a países em desenvolvimento que precisam ter acesso a vacinas contra a covid, disse nesta quarta-feira (30) seu presidente, David Malpass.

A entidade, que em setembro tinha aprovado um fundo de 12 bilhões de dólares, enviou até agora apenas US$ 4 bilhões a projetos em 51 países.

"A distribuição de vacinas provenientes de economias avançadas não ocorreu muito rapidamente", admitiu Malpass durante uma conferência virtual, ao explicar a lentidão na concessão dos fundos e o anúncio de uma quantia adicional.

Malpass disse esperar que nos próximos meses o procedimento vá se acelerar.

"Tentamos olhar para o futuro", insistiu, destacando que a pandemia não acabou e que todos os países mais vulneráveis podem solicitar esse financiamento quando quiserem e quando as vacinas estiverem disponíveis.

Ele acrescentou que nos próximos meses o uso das vacinas irá diminuir nos países desenvolvidos, especialmente nos Estados Unidos, o que beneficiará outros países.

Desde o início da pandemia, o Banco Mundial aprovou créditos de 150 bilhões de dólares para lutar contra os impactos sanitários, econômicos e sociais da pandemia.

Dt/oaa/gm/ll/mvv