Mercado fechará em 17 mins
  • BOVESPA

    109.749,44
    +2.370,52 (+2,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.887,59
    +620,39 (+1,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,95
    +1,89 (+4,39%)
     
  • OURO

    1.805,90
    -31,90 (-1,74%)
     
  • BTC-USD

    19.153,08
    +701,12 (+3,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,78
    +10,03 (+2,71%)
     
  • S&P500

    3.637,94
    +60,35 (+1,69%)
     
  • DOW JONES

    30.059,00
    +467,73 (+1,58%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.051,00
    +145,75 (+1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3887
    -0,0516 (-0,80%)
     

Banco Mundial aprova empréstimo de US$ 1 bi para ampliar Bolsa Família

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

O Banco Mundial aprovou um empréstimo de US$ 1 bilhão (R$ 5,73 bilhões no câmbio atual) para reforçar a expansão do Bolsa Família, informou hoje (30) a instituição financeira. A medida integra o projeto do banco multilateral para preservar a renda da população mais afetada pela pandemia de covid-19.

Em nota, o Banco Mundial informou que o dinheiro deverá beneficiar pelo menos 1,2 milhão de novas famílias no programa, resultando em 3 milhões de pessoas a mais atendidas. O banco informou que, desse total, 990 mil são crianças e jovens e 7 mil, indígenas.

De acordo com a instituição financeira, cerca de 13 milhões de famílias estavam cadastradas no Bolsa Família antes do início da pandemia. O empréstimo ampliaria o público atendido para 14,2 milhões de famílias.

Em abril, o Banco Mundial tinha anunciado que poria US$ 160 bilhões à disposição para ajudar mais de 100 países a enfrentar a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus . O dinheiro seria emprestado ao longo de 15 meses.

Segundo a instituição financeira, o programa emergencial do banco é baseado em três pilares: proteger os mais pobres e vulneráveis; apoiar os negócios e salvar empregos; e ajudar os países em desenvolvimento a implementar medidas emergenciais de saúde e fortalecer a resiliência econômica.