Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,98
    -0,17 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.735,40
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    62.902,46
    -403,65 (-0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,73
    -8,05 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.753,70
    -147,13 (-0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.705,65
    +84,66 (+0,29%)
     
  • NASDAQ

    13.809,50
    +10,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

Banco Mundial alerta que pandemia afetará economia do Brasil no 1º semestre

·2 minuto de leitura
Pessoas caminham em frente a uma loja em uma rua comercial no centro de São Paulo. 04/12/2014. REUTERS/Paulo Whitaker.

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Mundial projeta que a economia brasileira crescerá 3,0% neste ano, puxada pelo expressivo carregamento estatístico vindo de 2020, informou o organismo em relatório divulgado nesta segunda-feira, no qual, contudo, ressalvou que a escalada de casos e óbitos decorrentes da pandemia da Covid-19 vai enfraquecer o nível de atividade no primeiro semestre do ano.

Em seu Relatório Semestral para a América Latina e o Caribe, desta vez com o tema "Renewing with Growth" (Renovando com Crescimento, em tradução livre), a instituição estima que a indústria vai liderar a recuperação, enquanto o desempenho do setor de serviços dependerá da imunização da população.

Pelas estimativas do Banco Mundial, a recuperação econômica doméstica ficará atrás da de outros pares latino-americanos, como México (4,5%), Chile (5,5%) e Colômbia (5%) neste ano.

Ao comentar a recente reedição do programa do auxílio emergencial aos mais vulneráveis, o Banco Mundial destacou que, apesar de as projeções apontarem adição do equivalente a 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) ao déficit primário antes projetado, a medida apoiará o consumo das famílias e atenuará o aumento da pobreza.

As estimativas da instituição apontam dívida pública bruta encerrando o ano a 89,7% do PIB e também incerteza na recuperação do mercado de trabalho, uma vez que a geração de empregos depende de um cenário de retomada sustentada e implementação de reformas estruturais.

Dentre os riscos e desafios atribuídos ao país, o Banco Mundial pontua que são necessárias reformas de cunho econômico que permitam abertura do comércio, privatização de empresas públicas e flexibilização das despesas públicas, além das reformas tributária e administrativa.

O déficit nominal será de 6,2% do PIB, abaixo dos 14,2% de 2020, conforme cálculos do Banco Mundial. As transações correntes terão rombo de 1,5% do PIB, pior que o resultado negativo de 0,9% do ano passado.

O PIB crescerá 2,5% em 2022 e 2,3% em 2023, ainda de acordo com previsões do organismo.

(Por Gabriel Ponte)