Mercado fechará em 25 mins
  • BOVESPA

    130.067,87
    -140,09 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.903,63
    -125,91 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,30
    +1,42 (+2,00%)
     
  • OURO

    1.859,60
    -6,30 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    40.118,01
    +500,60 (+1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    999,37
    -11,24 (-1,11%)
     
  • S&P500

    4.244,60
    -10,55 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.284,85
    -108,90 (-0,32%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.027,25
    -97,50 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1116
    -0,0199 (-0,32%)
     

Units do Banco Inter disparam com plano de listagem na Nasdaq e acordo com StoneCo

·3 minuto de leitura
Nasdaq em NY

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) -As units do Banco Inter chegaram a disparar 18,5% nesta segunda-feira após a companhia anunciar que está terminando estudos de reestruturação societária para listar papéis na Nasdaq e que também planeja uma oferta de ações no Brasil que terá a StoneCo como âncora.

"Ficamos surpresos, e de forma absolutamente positiva, com os anúncios do Inter e da Stone na manhã de hoje", afirmou o analista Eduardo Rosman, do BTG Pactual, em nota a clientes.

Por volta de 12:25, as units do Inter saltavam 17,8%, a 210,71 reais, maior alta do Ibovespa, que subia 0,5%. Na máxima, os papéis chegaram a 212 reais. Em Nova York, as ações da StoneCo avançavam 1,9%, a 64,09 dólares.

No caso da reestruturação, o Inter pretende migrar sua base acionária para a Inter Platform, uma empresa sediada em Cayman a ser registrada na Securities and Exchange Commission (SEC, órgão que regula o mercado de capitais nos EUA). As ações dessa nova empresa serão listadas na Nasdaq, com lastro em BDRs listados na B3.

"Os prazos e a viabilidade da proposta de reorganização societária em estudo estão em processo de definição", afirmou.

Em outra frente, o Inter revelou acordo com a StoneCo, por meio do qual a processadora de cartões se comprometeu a subscrever ações ordinárias e/ou units correspondentes a até 4,99% do capital social do banco digital, com investimento limitado a 2,5 bilhões de reais.

A aquisição dos papéis se dará no âmbito de oferta pública de ações do Inter, no valor fixado, já considerando o desdobramento em curso, de 19,28 reais por ação ordinária e preferencial e 57,84 reais por unit, de acordo com fato relevante do Inter à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O acordo prevê que a Stone terá direito de preferência em caso de mudança de controle da Inter pelo prazo de 6 anos e de acordo com os limites de preço predefinidos, bem como prerrogativa para assento no conselho de administração do banco. A Stone não emitirá ações para financiar a transação.

"Ainda não temos o timing exato, mas deve ser em breve. E pode ser uma grande oferta (de cerca de 5 bilhões de reais), já que Stone se compromete a investir até 2,5 bilhões de reais, enquanto o Inter deve dar prioridade aos atuais acionistas", estimou Rosman, do BTG.

Além da família Menin, controladora do banco, a composição acionária do Inter também inclui o Softbank com participação de 14,29%.

"Inter e Stone envidarão seus melhores esforços para iniciar uma discussão a fim de explorar oportunidades de negócio que possam potencializar a força de ambas companhias para a criação de um ecossistema que conecta compradores a vendedores, que serão beneficiados com os melhores produtos financeiros e um grande canal de vendas", afirmou o Inter no comunicado.

Entre as oportunidades que podem ser estudadas, estão conectar os clientes da Stone ao Inter Shop, digitalizar a experiência de pagamentos entre clientes Inter e varejistas Stone, explorar cross-selling e alavancar a força do funding do Inter nas ofertas de capital de giro da Stone.

"Ainda temos que digerir os anúncios, mas nossa primeira leitura é positiva", afirmou o analista do BTG, acrescentando que para o Inter o acordo traz um parceiro muito forte e elimina o risco de um follow-on, o que acham que a maioria no Street estava esperando.

Rosman acrescentou que a futura listagem da plataforma do Inter nos Estados Unidos também é importante, pois dá à família Menin mais poder de “diluição” para manter o controle caso sejam necessários mais follow-ons (e fusões e aquisições).

"Na Stone, argumentamos recentemente que ele precisa acelerar a digitalização de seus comerciantes e buscar outras fontes de financiamento", acrescentou, avaliando que a transação é uma vitória para ambos e reiterando Inter e Stone na sua lista de preferências.

(Edição Alberto Alerigi Jr.)