Mercado fechará em 3 h 14 min
  • BOVESPA

    103.830,42
    +3.055,85 (+3,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.499,20
    +492,04 (+0,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,34
    -0,23 (-0,35%)
     
  • OURO

    1.772,00
    -12,30 (-0,69%)
     
  • BTC-USD

    56.263,73
    -2.226,40 (-3,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.433,66
    -5,23 (-0,36%)
     
  • S&P500

    4.525,54
    +12,50 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.303,25
    +281,21 (+0,83%)
     
  • FTSE

    7.137,39
    -31,29 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.838,00
    -31,75 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3864
    -0,0604 (-0,94%)
     

Banco digital N26 chega ao Brasil com recursos como antecipação salarial

·2 min de leitura

O banco digital alemão N26 anunciou nesta quinta-feira (4) o início de suas operações no Brasil, após ter adiado esse plano em 2019, segundo o Estadão. Trazendo algumas novidades em sua plataforma como antecipação salarial e contas compartilhadas, a empresa diz ter a intenção de lançar no nosso país a “segunda geração de fintechs”, concorrendo diretamente com Nubank, Banco Inter, Neon, C6 e afins.

A N26 pretendia tornar o Brasil seu primeiro mercado na América Latina entre 2019 e 2020, mas interrompeu a missão por conta da pandemia de covid. Na época já contavam com uma equipe de 15 pessoas, que foi dispensada. Pelo menos na época obteve a licença de Sociedade de Crédito Direto, burocracia fornecida pelo Banco Central para que a empresa pudesse funcionar como instituição financeira por aqui.

Outra consequência da época foi um pré-cadastro de clientes, que gerou uma base de dados de 200 mil pessoas na fila para ter uma conta do banco digital. Agora nesta segunda tentativa, a empresa terá um período de testes para esse grupo, que avaliará as melhores ferramentas de sua plataforma e até algumas novas. O lançamento para o grande público, de fato, será em 2022.

A N26 deve adotar por aqui o mesmo modelo que usa na Europa: o freemium, em que parte dos recursos são gratuitos e outros, pagos. Ainda não há valores definidos para a operação brasileira, mas os clientes alemães chegam a pagar até 20 euros (R$ 129) por mês.

Algumas das funcionalidades mais interessantes da N26 são a ferramenta Spaces, que permite criar até duas subcontas compartilhadas de graça, ou pagando se quiser mais que isso; e antecipação de salário em dois dias. Já outros recursos existem nas fintechs nacionais, como cashback (retorno parcial de dinheiro em transações).

Segundo o diretor geral da empresa no Brasil, Eduardo Prota, a N26 diz representar uma segunda geração de fintechs porque a primeira democratizou o acesso a certas ferramentas financeiras, e agora pretendem orientar melhor aos clientes. “Queremos resolver o problema do brasileiro. O acesso aos produtos ficou mais fácil, mas o aconselhamento segue difícil. É como se você fosse a uma farmácia e começasse a ter que buscar remédios sem conhecimento”, afirmou Prota ao Estadão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos