Mercado abrirá em 1 h 20 min
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,99
    -0,36 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.787,20
    -5,90 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    54.984,05
    -122,17 (-0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.279,89
    +16,93 (+1,34%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.904,54
    +9,25 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.896,50
    -22,75 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6479
    -0,0541 (-0,81%)
     

Banco de dados desatualizado dificulta doação de medula óssea, segundo USP

Nathan Vieira
·2 minuto de leitura

Na última quinta-feira (11), o professor Eduardo Rego, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), especialista em Hematologia, revelou ao Jornal da USP a principal dificuldade nas doações de medula óssea: o banco de dados desatualizado.

Acontece que, de acordo com o especialista em Hematologia, o Brasil conta com bons registros de doadores de medula óssea, e devido à variabilidade genética da população brasileira, a doação é incentivada para abranger os diversos pacientes na fila de espera. Em contrapartida, a maior dificuldade é encontrar os doadores cadastrados por conta dos dados desatualizados.

“Nosso maior desafio é manter sempre um banco extenso e atualizado de indivíduos que de fato estejam dispostos a doar medula óssea, caso apareça um receptor. Um dos problemas que nós temos é que às vezes o indivíduo está registrado no banco, se encontra um receptor compatível, mas o indivíduo não é rastreável. Por isso, é importante ter bastante consciência do que está envolvido quando você se candidata a ser um doador de medula óssea”, relata o especialista.

A importância do transplante de medula óssea

O transplante de medula óssea pode ajudar no tratamento da leucemia, proliferação que causa hemorragia (Imagem: Gerd Altmann/Pixabay)
O transplante de medula óssea pode ajudar no tratamento da leucemia, proliferação que causa hemorragia (Imagem: Gerd Altmann/Pixabay)

O transplante de medula óssea é um dos tratamentos para a leucemia, por exemplo, que é basicamente uma proliferação maligna de células imaturas, o que prejudica a imunidade e a coagulação do sangue. “Quando a gente tem algumas mudanças genéticas adquiridas nessas células na medula, elas passam a proliferar de maneira inadequada, além também de outros processos como a própria regulação da morte natural das células, que é um processo de apoptose e de senescência e também de outros mecanismos de controle ali do próprio ambiente medular”, explica o professor.

Com isso, é possível ressaltar a importância do diagnóstico para aumentar as chances de cura das leucemias. O especialista explica que quanto mais cedo a doença é descoberta, menor é a massa tumoral, facilitando a erradicação.

“É sempre importante o diagnóstico precoce para doenças malignas, isso porque estamos falando de uma doença que se caracteriza por uma infiltração de células que perderam sua capacidade de controle de proliferação e morte celular. Quanto antes o diagnóstico, menor é a massa tumoral. Sendo menor a massa tumoral, torna-se mais fácil o tratamento e a erradicação desses clones malignos que caracterizam a doença”, afirma o professor.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: