Mercado abrirá em 8 h 23 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,24
    -0,28 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.726,90
    -3,60 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    20.124,28
    +528,31 (+2,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,67
    +11,23 (+2,52%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    18.013,24
    +933,73 (+5,47%)
     
  • NIKKEI

    27.106,32
    +114,11 (+0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.575,00
    -65,75 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1459
    -0,0220 (-0,43%)
     

Banco chinês ICBC, o maior do mundo, tem salto na inadimplência do setor imobiliário

PEQUIM (Reuters) - O Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), o maior banco comercial do mundo em ativos, disse que os empréstimos ao setor imobiliário não quitados aumentaram 15% no primeiro semestre deste ano.

O banco tinha 38,8 bilhões de iuans de empréstimos não quitados no final de junho, em comparação com 33,8 bilhões de iuans no final do ano passado, de acordo com resultados do primeiro semestre divulgados nesta terça-feira.

O balanço mostra que o índice de inadimplência do setor imobiliário ficou em 5,47%, comparado a uma média do banco de 1,41%.

O ICBC é o terceiro entre os maiores bancos da China a relatar uma crescente inadimplência no setor imobiliário, em meio a um primeiro semestre onde o aumento das dívidas por incorporadoras interrompeu projetos habitacionais, levando a boicotes nos pagamentos de hipotecas.

Apesar disso, o lucro líquido do banco cresceu 4,9% ano a ano no primeiro semestre, para 171,5 bilhões de iuans (24,82 bilhões de dólares).

Os dados indicam um lucro líquido de 80,9 bilhões de iuans no segundo trimestre, um aumento de 4% em relação ao ano anterior, segundo cálculos da Reuters.

O banco disse que sua margem financeira líquida foi de 2,03% no final de junho, em comparação com 2,10% ao fim de março.

(Por Engen Tham e Ziyi Tang)