Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.042,55
    -1.198,48 (-1,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Banco Central volta a elevar Selic, para 6,25%, diante da alta inflação

·2 minuto de leitura
Nova alta da Selic (AFP/Tatiana MAGARINOS)

O Banco Central (BC) do Brasil aumentou nesta quarta-feira (22) mais uma vez a Selic, a taxa básica de juros, em um ponto percentual, para 6,25%, diante da "elevada" inflação no país.

Em linha com as expectativas do mercado, a alta decidida pelo Conselho de Política Monetária (Copom) é a quinta consecutiva na taxa Selic este ano e a segunda dessa magnitude após o aumento de agosto.

A autoridade monetária começou a elevar as taxas em março, deixando para trás a mínima histórica de 2% em que se situava a Selic desde agosto de 2020 para impulsionar a economia, afetada pela pandemia.

E vai continuar assim: "Para a próxima reunião, o Comitê antevê outro ajuste da mesma magnitude", afirmou o Copom em comunicado divulgado ao fim do encontro de dois dias.

"A inflação ao consumidor segue elevada", disse o BC, destacando pressões sobre alimentos, combustíveis e, principalmente, energia elétrica, que refletem fatores como "câmbio, preços de commodities e condições climáticas desfavoráveis".

O reajuste das taxas foi progressivo em função do aumento da inflação, que em agosto atingiu 9,68% em 12 meses.

A decisão coincide com a média esperada por consultorias e instituições financeiras. Alguns apostavam em um aumento ainda maior, de 1,25%.

Antes da reunião, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, havia garantido que a instituição tinha um horizonte de mais longo prazo, e não iria "reagir sempre a dados de alta frequência", como o indicador mensal de inflação.

A expectativa do mercado para a Selic é de alta de até 8% neste ano, segundo dados divulgados na pesquisa Focus, publicada pelo BC.

Até o final do ano, o aumento dos preços para o consumidor deve chegar a 8,35%, de acordo com a Focus, uma estimativa que está bem acima da meta oficial de inflação de 3,75% e do teto de 5,25%.

Alguns economistas, porém, alertam que as taxas elevadas podem prejudicar a recuperação econômica.

O crescimento previsto para este ano gira em torno de 5%, e de 1,6% após as revisões para baixo para o próximo ano, quando o efeito diferido das taxas será mais perceptível.

mls/app/mr/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos