Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.593,37
    -513,76 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Banco Central prepara novo aumento da taxa básica de juros, para 3,5% (+0,75 pp)

·2 minuto de leitura
Homem segura notas de 200 reais em Brasília, em 2 de setembro de 2020

O Banco Central do Brasil (BCB) voltará a elevar a taxa básica de juros na quarta-feira (5) em 0,75 ponto percentual, para 3,5%, e reafirmará sua "firmeza" contra a inflação, em alta apesar da desaceleração econômica causada pela pandemia, estimam analistas.

O BCB elevou a taxa Selic pela primeira vez em seis anos em março, de seu mínimo histórico de 2% para 2,75%; e indicou que em maio faria um ajuste semelhante "a menos que haja uma mudança significativa nas projeções de inflação e no balanço de riscos".

Muitos analistas esperavam um aumento de até um ponto percentual, mas essa possibilidade foi praticamente descartada após a aprovação do orçamento de 2021, sem descontrole de gastos, e uma recuperação do real frente ao dólar.

A inflação acumulada em doze meses, no entanto, seguiu piorando e em março atingiu 6,10%, superando o limite tolerado de 5,25% da meta oficial de 2021 (cujo centro é 3,75%).

A projeção de inflação para este ano, assim, passou de 4,81% um mês atrás para 5,04%, de acordo com a pesquisa Focus de expectativas de mercado realizada pelo BCB.

Embora essa projeção suponha uma desaceleração da inflação no segundo semestre, "dado o contexto de curto prazo, o BC talvez opte por uma sinalização mais firme", diz Jason Vieira, da consultoria Infinity Assets.

"Um sinal muito 'dove' (branco) poderia perder esse benefício" da estabilidade do câmbio", adverte, em alusão a uma postura mais favorável a taxas mais baixas e menos preocupação com a inflação.

"A impressão ainda é que, a despeito das altas expectativas de inflação, estas estão dentro da meta ou muito próxima a ela", afirma Mauro Rochlin, professor de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Porém, o BCB terá de apontar "a necessidade de seguir aumentando" a taxa, pois em abril a inflação acumulada "vai chegar perto de 7%", acrescenta.

- "Normalização parcial" -

A expectativa do mercado é que a Selic atinja 5,50% no fim do ano e 6,25% em 2022, coroando o que o BCB chamou de "processo de normalização parcial do estímulo monetário".

Mas o BCB deve evitar que o aumento dos juros afete a reativação da maior economia da América Latina, que em 2020 encolheu 4,1%.

A projeção é de que o PIB cresça este ano em 3,14%, número revisado várias vezes para baixo devido à intensificação da pandemia do coronavírus, que já deixou quase 410 mil mortos no Brasil.

Mesmo assim, a vacinação, ainda que lenta, deve permitir sair da crise que, em um ano, aumentou o número de desempregados em 2 milhões, chegando a um recorde de 14,4 milhões.

O BCB precisará encontrar "um equilíbrio tênue" para incentivar a reativação sem perder as rédeas dos preços, afirma Vieira.

Por outro lado, os analistas veem com certa preocupação a possibilidade de um descontrole das despesas antes das eleições de outubro de 2022, nas quais o presidente Jair Bolsonaro tentará um segundo mandato.

js/ic/mvv