Mercado abrirá em 2 h 3 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,68
    +0,41 (+0,62%)
     
  • OURO

    1.868,40
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    45.402,73
    +911,18 (+2,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.262,36
    +64,45 (+5,38%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.063,35
    +30,50 (+0,43%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.395,00
    +91,50 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4426
    +0,0327 (+0,51%)
     

Banco Central olha cada vez mais para inflação de 2022, diz Campos Neto

LARISSA GARCIA
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade monetária olha cada vez mais para a inflação de 2022 dentro do horizonte relevante, período para quando o BC entende que a política monetária faz efeito. "Reconhecemos que houve contaminação da inflação deste ano nas expectativas e por isso que decidimos fazer um movimento maior que o esperado pelo mercado [de alta da taxa básica de juros, Selic]. Não miramos no curto prazo, temos um horizonte para o que fazemos ter efeito, olhamos para 2022 cada vez mais", disse em entrevista à Bloomberg TV na noite desta terça-feira (13). Segundo ele, a contaminação da pressão inflacionária recente nas expectativas para o próximo ano não é estrutural, mas temporária. Campos Neto atribuiu a maior parte do movimento à alta nos preços das commodities. Sobre o câmbio, o presidente da autarquia afirmou que a moeda brasileira ficou estável nas últimas semanas. "O importante não é o Real [para o BC], temos um sistema de câmbio flutuante, mas como isso afeta a inflação e as expectativas", avaliou. Na última reunião, em março, o Copom (Comitê de Política Monetária) elevou em 0,75 ponto percentual a Selic, que foi a 2,75% ao ano, como resposta à escalada de preços observada desde setembro. A magnitude da alta veio acima das expectativas do mercado. Campos Neto reiterou que, segundo sinalizado na última decisão, o BC deverá subir 0,75 ponto percentual na próxima reunião, em maio. "Não vemos nada diferente de 0,75 ponto [na próxima reunião], que foi o que indicamos, a não ser que algo extraordinário aconteça, mas nada foi escrito em pedra, podemos enfrentar condições diferentes até lá", pontuou. Questionado sobre os efeitos de ruídos políticos na economia e sobre a coordenação entre o BC, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Campos Neto afirmou que a autoridade monetária está alinhada à pasta, mas não mencionou Bolsonaro. "A coordenação entre o Ministério da Economia e o Banco Central em tempos de crise precisa ser muito boa, estamos bem coordenados. Aprendemos com a crise de 2008 que precisamos que a política fiscal esteja alinhada à política monetária", respondeu.