Mercado fechará em 3 h 44 min
  • BOVESPA

    129.488,55
    -719,41 (-0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.857,89
    -171,65 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,68
    +0,80 (+1,13%)
     
  • OURO

    1.857,90
    -8,00 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    40.144,56
    -196,69 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.000,47
    -10,14 (-1,00%)
     
  • S&P500

    4.244,47
    -10,68 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.236,12
    -157,63 (-0,46%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.067,75
    -57,00 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1646
    +0,0331 (+0,54%)
     

Banco Central divulga mais detalhes sobre real digital

·2 minuto de leitura
Moedas e Notas de Real brasileiro, deverão ser digitais em breve
Moedas e Notas de Real brasileiro, deverão ser digitais em breve

A moeda digital do banco central do Brasil, que está em fase de estudos, teve mais detalhes divulgados nesta segunda-feira (24). Segundo a autoridade monetária, o assunto ganhou destaque nos últimos anos.

Vários países já planejam a emissão de uma moeda digital própria, apelidadas mundialmente de CBDC.

Leia também:

Essas tecnologias não viriam para substituir as moedas locais, mas para complementá-las.

Segundo o BCB, o real digital está em discussões desde agosto de 2020, quando foi criado um grupo de trabalho para este propósito. Nos últimos dias, rumores apareceram de que o real digital será inspirado na moeda digital chinesa, que está em fase de testes.

Detalhes do real digital são divulgados pelo Banco Central do Brasil

O Banco Central do Brasil divulgou mais detalhes sobre a possível emissão do real digital pela autoridade monetária brasileira. O provável lançamento estaria marcado para meados de 2022.

De acordo com o Bacen, há atualmente um grupo de trabalho que promove discussões internas e até com outros bancos centrais pelo mundo. O objetivo principal de um eventual lançamento seria:

  • Acompanhar o dinamismo da evolução tecnológica da economia brasileira;

  • Aumentar a eficiência do sistema de pagamentos de varejo;

  • Contribuir para o surgimento de novos modelos de negócio e de outras inovações baseadas nos avanços tecnológicos;

  • Favorecer a participação do Brasil nos cenários econômicos regional e global, aumentando a eficiência nas transações transfronteiriças.”

O Banco Central ainda destacou que conversas com setor privado, e um amplo diálogo com a sociedade, serão fundamentais antes de qualquer implantação da nova tecnologia.

Qualquer lançamento deve ser feito visando garantir estabilidade no poder de compra da moeda

O Banco Central ainda divulgou, em nota, que a moeda digital deve garantir o poder de compra da moeda. Além disso, procura zelar por um ambiente financeiro sólido e melhorar o sistema de bem-estar econômico do país.

Dentre os detalhes apresentados sobre o Real digital, o Bacen divulgou que pensa até no uso dos Contratos Inteligentes e dinheiro programável. Ou seja, a nova moeda brasileira pode recorrer à tecnologia blockchain para garantir maior eficiência.

  • Ênfase na possibilidade de desenvolvimento de modelos inovadores a partir de evoluções tecnológicas, como contratos inteligentes (smart contracts), internet das coisas (IoT) e dinheiro programável;

  • Previsão de uso em pagamentos de varejo;

  • Capacidade para realizar operações online e eventualmente operações offline;

  • Emissão pelo BCB, como uma extensão da moeda física, com a distribuição ao público intermediada por custodiantes do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB);

  • Ausência de remuneração;

  • Garantia da segurança jurídica em suas operações;

  • Aderência a todos os princípios e regras de privacidade e segurança determinados, em especial, pela Lei Complementar nº 105, de 2001 (sigilo bancário), e pela Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais;

  • Desenho tecnológico que permita integral atendimento às recomendações internacionais e normas legais sobre prevenção à lavagem de dinheiro, ao financiamento do terrorismo e ao financiamento da proliferação de armas de destruição em massa, inclusive em cumprimento a ordens judiciais para rastrear operações ilícitas;

  • Adoção de solução que permita interoperabilidade e integração visando à realização de pagamentos transfronteiriços; e

  • Adoção de padrões de resiliência e segurança cibernética equivalentes aos aplicáveis a infraestruturas críticas do mercado financeiro.”

O Banco Central do Brasil apontou que esses detalhes sobre o eventual Real digital são os entendimentos atuais da autoridade sobre o tema.

De qualquer forma, com o decorrer dos estudos futuros, alterações poderão ser feitas ao projeto, que não tem nada definido ainda.

Fonte: Livecoins