Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.662,53
    -1.406,02 (-1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,15
    +379,19 (+0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,76
    -0,25 (-0,35%)
     
  • OURO

    1.801,30
    +3,30 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    17.211,83
    +412,16 (+2,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,90
    +11,22 (+2,84%)
     
  • S&P500

    3.955,81
    +21,89 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    33.696,49
    +98,57 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.615,25
    +105,75 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4993
    +0,0329 (+0,60%)
     

Banco Central da China diz estar ganhando a guerra contra o Bitcoin

Bitcoin e China.
Bitcoin e China.

Em comunicado publicado na última segunda-feira (26), o Banco Central da China afirma que está ganhando a guerra contra o Bitcoin. Como destaque, cita que quase 5.000 negócios de compra e venda direta (P2P) já foram fechados.

Segundo o Banco Popular da China, tais ações servem para “prevenir e neutralizar riscos financeiros”. No passado, o país chamou a atenção do mundo ao banir toda e qualquer atividade ligada ao Bitcoin e outras criptomoedas.

Enquanto bancos centrais de outros países possuem a mesma abordagem em relação às criptomoedas, afinal elas ameaçam seu monopólio financeiro, os mesmos não são apoiados por legisladores e governantes. Já na China, todos órgãos estatais têm um alinhamento de pensamento sobre o tema.

China diz que está vencendo o Bitcoin

Em maio de 2021, a China proibia a mineração de Bitcoin no país. Como efeito, o preço do Bitcoin derreteu e muitos empreendedores moveram seus equipamentos para outros países, em especial para os EUA, país que hoje concentra o maior hash rate.

Mais de um ano depois, o país oriental continua ocupado com sua guerra contra o Bitcoin. Em comunicado postado na última segunda-feira (26), o Banco Popular da China afirma que está ganhando esta batalha.

“Enquanto continuamos reprimindo a especulação doméstica sobre moedas virtuais, o volume doméstico de negociação de Bitcoin na China caiu significativamente.”

Seguindo, aponta que a limpeza do setor está tendo resultados positivos e que a “expansão desordenada e o crescimento selvagem foram efetivamente contidos”. Como exemplo, cita que quase 5.000 negócios P2P de compra e venda de criptomoedas foram fechadas e que 25.000 casos de arredação ilegal de fundos foram investigados e tratados.

Mesmo sem Bitcoin, crise atinge a China

Um dos assuntos mais debatidos neste ano foi a crise imobiliária chinesa. Em vídeos, era possível observar a demolição de diversos prédios devido à falta de demanda por tais imóveis. Indo além, o país também teve uma desaceleração de crescimento.

Entretanto, o Banco Central da China continua acreditando que o Bitcoin é a verdadeira ameaça e que suas políticas socialistas podem ter êxito. Mas, a verdade é que a China abandonou uma indústria de US$ 1 trilhão de dólares, perdendo uma receita que poderia obter sem grandes esforços.

Enquanto isso, outros países seguem dando boas-vindas às criptomoedas e lucrando com o pagamento de impostos por empresas e investidores. Por fim, até mesmo a Rússia está mudando sua opinião sobre o Bitcoin já que o dólar não está sendo uma moeda útil para eles.

Fonte: Livecoins
Banco Central da China diz estar ganhando a guerra contra o Bitcoin

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.