Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.048,03
    +375,27 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.282,89
    -119,81 (-0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +1,29 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.786,50
    +16,00 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    66.202,00
    +2.134,42 (+3,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.546,89
    +66,09 (+4,46%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.369,25
    -29,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4781
    -0,0181 (-0,28%)
     

Banco Central chinês defende regras mais rígidas para setor tecnofinanceiro

·1 minuto de leitura
Governador do Banco Central da China, Yi Gang, anuncia endurecimento da regulação do setor tecnofinanceiro (AFP/WANG Zhao)

A China vai endurecer a supervisão da indústria de pagamentos on-line e continuará lutando contra os monopólios no setor - advertiu o governador do Banco Central na quinta-feira, ressaltando que Pequim levará adiante sua regulamentação dos gigantes do setor de tecnologia.

"Continuaremos cooperando com as autoridades antitruste para frear os monopólios e trabalharemos ativamente contra a discriminação dos algoritmos e outras novas formas de práticas contrárias à concorrência", disse o governador do Banco Popular da China, Yi Gang, durante uma conferência do Banco de Pagamentos Internacional sobre a regulação do setor.

Em seu discurso, Yi afirmou ainda que o Banco Central reforçará a supervisão na indústria de pagamentos digitais e pedirá que todas as empresas de serviços financeiros tenham uma licença.

"As principais plataformas da China obtiveram dados em massa dos usuários", disse Yi, observando que isso "pode levar a um monopólio do mercado e comprometer a eficiência na inovação".

No ano passado, as autoridades chinesas miraram nas grandes empresas de tecnologia do país, como o gigante do comércio eletrônico Alibaba, ou a plataforma de entrega rápida de comida Meituan, acusando-as de práticas monopolísticas e de fazerem uma agressiva coleta de dados dos consumidores.

Esse esforço faz parte de uma política mais ampla, por parte do governo, para manter o controle da segunda economia mundial em setores como educação privada, cassinos, ou imobiliário.

Entre os mais afetados, está o império Alibaba, do magnata Jack Ma. Há quase um ano, a bilionária entrada na Bolsa de sua subsidiária Ant Financial foi suspensa no último minuto pelos órgãos reguladores.

lxc/rox/dan/dbh/mar/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos