Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.547,96
    +516,20 (+2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Banco Central do Brasil prepara novo aumento da Selic para conter inflação

·2 min de leitura
(Arquivo) Investidores observam painel da Ibovespa (B3), em São Paulo,

O Banco Central do Brasil (BCB) aumentará sua taxa básica pela terceira vez consecutiva na quarta-feira, em ao menos 0,75 ponto percentual, para 4,25%, considerando que a economia já está se recuperando apesar da pandemia e que agora a sua principal tarefa é conter o alto nível da inflação, segundo analistas.

O BCB fez dois aumentos desde março de 0,75 ponto na taxa Selic, que estava desde agosto em seu mínimo histórico de 2%, buscando estimular a atividade econômica durante a primeira onda do coronavírus.

Em maio, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central alertou que faria "mais um ajuste da mesma magnitude" em junho, para controlar a disparada inflacionária.

Mas a inflação continuou crescendo: no acumulado de doze meses até maio atingiu 8,06%, seu maior nível desde setembro de 2016, bem acima do centro da meta anual de 3,75% e do seu teto, de 5,25%.

As projeções para 2021 atualmente são de 5,82%, frente a 3,34% em janeiro, de acordo com o Boletim Focus, que mostra as expectativas de mercado.

A projeção para 2022 também supera o centro da meta de 3,50% fixada para o próximo ano.

Com isso, um número crescente de analistas considera que o Copom pode elevar a Selic em um ponto, para 4,50%. Esse seria o seu nível de janeiro de 2020, antes do início da pandemia, que já deixou quase meio milhão de mortos no país.

A consultoria A.C Pastore prevê um aumento de 0,75 ponto percentual, acompanhado do alerta de que o Copom "não está mais comprometido com um ajustamento parcial, e sim com o ajustamento que for necessário para trazer a inflação para a meta".

De acordo com o Boletim Focus, a Selic chegará a 6,25% em dezembro, seu maior nível desde agosto de 2019.

- O mercado, focado na pós-pandemia -

O Copom pode se sentir livre para abandonar sua política "estimulativa", já que o PIB brasileiro surpreendeu no primeiro trimestre com crescimento de 1,2% frente ao trimestre anterior, apesar da virulência da segunda onda da pandemia.

A expectativa de crescimento da maior economia latino-americana, de 3% no início do ano, subiu para quase 5%, após retração de 4,1% em 2020.

O otimismo deve se consolidar com o avanço da vacinação, afirma Mauro Rochlin, professor de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Embora a pandemia continue matando cerca de 2.000 pessoas por dia, o mercado "já deu como passada a pandemia", acrescenta.

A Bolsa de Valores de São Paulo está operando há vários dias em seus máximos históricos.

E o aumento do desemprego é, por enquanto, parcialmente compensado pela reativação das ajudas emergenciais.

A recuperação, argumenta Rochlin, deve continuar mesmo com a turbulência política da CPI sobre o fracasso do presidente Jair Bolsonaro em conter a pandemia.

"O país está voltado a crescer rapidamente", sem levar em conta "os discursos do governo", afirma.

js/pr/ll/bn/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos