Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.042,48
    -76,52 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.905,06
    +36,24 (+0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,17
    +0,43 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.869,60
    +8,10 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    18.422,09
    -32,66 (-0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    364,42
    +2,99 (+0,83%)
     
  • S&P500

    3.584,40
    +26,86 (+0,76%)
     
  • DOW JONES

    29.648,71
    +385,23 (+1,32%)
     
  • FTSE

    6.351,45
    +17,10 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    26.451,54
    +94,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.908,00
    -79,25 (-0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3799
    +0,0727 (+1,15%)
     

Banco Central do Brasil mantém Selic em 2%, seu mínimo histórico

·1 minuto de leitura
Banco Central mantém Selic em 2%
Banco Central mantém Selic em 2%

O Banco Central do Brasil (BCB) manteve nesta quarta-feira (28) sua taxa básica de juros em 2%, seu mínimo histórico, na tentativa de reativar uma economia abalada pela crise do coronavírus e apesar da alta da inflação. 

A decisão, tomada por unanimidade pelo Comitê de Política Monetária (Copom), coincide com a expectativa dos analistas. 

"As últimas leituras de inflação foram acima do esperado, e o Comitê elevou sua projeção para os meses restantes de 2020 (...) Apesar da pressão inflacionária mais forte no curto prazo, o Comitê mantém o diagnóstico de que esse choque é temporário, mas monitora sua evolução com atenção", destacou o organismo em um comunicado.  

Em sua reunião de setembro, o BCB manteve a taxa Selic em 2%, interrompendo um ciclo de nove cortes. 

Os operadores preveem que a taxa será mantida no nível atual pelo menos até o fim do ano, e estimam que poderia chegar a 2,75% durante 2021. 

O índice IPCA-15, de outubro, divulgado pelo IBGE, considerado uma prévia da inflação oficial, registrou alta de 0,94%, acima do esperado pelos mercados. 

É o maior nível para este mês desde 1995 e a maior alta mensal desde dezembro do ano passado. 

Na última pesquisa semanal Focus, do BCB, os economistas aumentaram suas previsões de inflação para 2020, de 2,65% a 2,99%, ainda muito abaixo do teto da meta, de 4%, mas acima do piso, de 2,5%. 

lg/jm/mr/mvv