Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,54
    +0,17 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.845,90
    +7,80 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    45.884,96
    -1.226,11 (-2,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,87 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,47 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.400,00
    +13,00 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4042
    +0,0002 (+0,00%)
     

Banco Central autoriza Pix para quem recebe auxílio emergencial

LARISSA GARCIA
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Quem recebe auxílio emergencial poderá movimentar recursos na conta digital da Caixa Econômica, pela qual recebe o benefício, por meio do Pix. A nova funcionalidade foi anunciada pelo Banco Central nesta quinta-feira (22). Antes, esse tipo de conta não integrava o sistema de pagamentos instantâneos. De acordo com o BC, apenas transferências para contas no nome do próprio beneficiário não poderão ser feitas por Pix. "A única exceção se dará para os casos de transferência para conta de mesma titularidade. Tal excepcionalidade se faz necessária visando a proteção dos usuários, uma vez que tais recursos não podem ser objeto de descontos ou de compensações que impliquem a redução do valor do auxílio", disse a autarquia em nota. Segundo a autoridade monetária, a proibição tem o objetivo de proteger o valor do auxílio. O beneficiário pode ter débitos em outra conta, que seriam descontados pelo banco no momento da transferência. A nova rodada de auxílio foi anunciada pelo governo no fim de março e terá valor médio de R$ 250, mas poderá ser de R$ 150 ou R$ 375, dependendo do tamanho da família do beneficiário. Os pagamentos, por meio de conta-poupança digital da Caixa, começaram em 6 de abril. O governo prevê um gasto de R$ 44 bilhões para atender 45,6 milhões de pessoas. No ano passado, foram desembolsados R$ 293 bilhões para atender 67,9 milhões.