Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.284,95
    +156,53 (+0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Banco Central aumenta Selic para 13,25% (oficial)

O Banco Central elevou nesta quarta-feira a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, a 13,25%, nível mais alto desde janeiro de 2017, moderando o ritmo da escalada com a qual tenta frear a inflação persistente.

A alta da Selic, anunciada após uma reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), é a 11ª seguida desde março de 2021, quando a taxa se encontrava na mínima histórica de 2%.

A magnitude do aumento coincidiu com a expectativa do mercado, segundo a mediana de uma pesquisa do jornal "Valor" divulgada ontem, que ouviu 90 consultorias e instituições financeiras. Além disso, o aumento de 0,5 ponto percentual é o menor do ciclo de altas, após três movimentos de um ponto percentual, precedidos de três saltos de 1,5 ponto percentual entre outubro e fevereiro.

Com a decisão, a autoridade monetária deu continuidade à sua estratégia de conter os aumentos dos preços do varejo, que subiram 11,73% em 12 meses até maio.

- Deterioração externa -

"O ambiente externo seguiu se deteriorando desde a última reunião, em maio, marcado por revisões negativas para o crescimento global prospectivo em um ambiente de pressões inflacionárias", assinala o comunicado do Copom.

No nível local, "a inflação ao consumidor continuou surpreendendo negativamente, tanto em componentes mais voláteis quanto em itens associados à inflação subjacente”, indicou o comitê.

A inflação ao consumidor brasileiro situou-se em 0,47% no mês de maio, um recuo em relação ao 1,06% registrado em abril, segundo dados oficiais. Mas acumulou 4,78% nos primeiros cinco meses do ano, aproximando-se do teto da meta para este ano, que é de 5%.

O mercado prevê uma inflação de 8,89% no fim de 2022, segundo o boletim Focus, do Banco Central. Os aumentos nos preços dos combustíveis e dos alimentos, impulsionados pelo conflito entre Rússia e Ucrânia, representaram um impacto adicional à inflação ascendente da primeira economia latino-americana.

De olho em 2023, o Copom tenta que a inflação coincida com a meta de 3,25% para esse período. Mas as expectativas continuaram subindo até 4,6% para o ano que vem, quando em maio passado eram de 4%, segundo a pesquisa do Valor.

Diante de uma inflação que deixa o horizonte turvo, o Copom antecipou uma nova alta dos juros "de igual ou menor magnitude" na próxima reunião, em agosto.

Tanto o Banco Central quanto o mercado veem o fechamento do ciclo de ajuste monetário como próximo, mas o Copom definirá os próximos passos "com cautela adicional", dada "a crescente incerteza da atual conjuntura", assinalou.

mls/app/mr/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos