Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.744,90
    -4,90 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    44.791,30
    +1.225,89 (+2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.119,18
    +10,26 (+0,92%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.312,50
    +9,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2262
    +0,0174 (+0,28%)
     

Banco Central é uma instituição do Estado, e não do governo, diz Fux

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  12-07-2021 - O presidente do STF ministro Luiz Fux. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 12-07-2021 - O presidente do STF ministro Luiz Fux. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, defendeu nesta quinta-feira (26) a independência do Banco Central, tema em julgamento na corte.

"A questão de fundo é: um Banco Central que trata da política monetária e financeira tem de ter uma visão transnacional e atuar com total independência", afirmou Fux durante evento online promovido pela XP Investimentos.

PT e pelo PSOL, partidos de oposição ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido), ingressaram com ação no Supremo questionando se o Congresso poderia ter aprovado a autonomia do BC.

Os adversários do Palácio do Planalto afirmam que a lei está em desacordo com a Constituição porque a iniciativa não partiu do Executivo.

Relator da ação, o ministro Ricardo Lewandowski concordou com a alegação de inconstitucionalidade do projeto, sancionado por Bolsonaro em fevereiro.

Na sequência, votou o ministro Luís Roberto Barroso, que discordou de Lewandowski. O julgamento deve ser retomado nesta quinta.

Fux disse que, apesar de ter sido aprovado um projeto de Lei do Congresso, houve também uma proposta do Executivo com o mesmo objetivo.

"Eles [os projetos] foram unidos. De sorte que o Congresso deliberou sobre essa questão central: autonomia do Banco Central", afirmou.

"Essa deliberação representou na essência a vontade do Executivo e a vontade do Legislativo. Então esse vício formal, nesse caso concreto, não tem essa relevância."

A autonomia do Banco Central era discutida havia décadas no Congresso. Um dos objetivos da mudança foi o de resguardar a instituição de pressões político-partidárias.

No início de sua fala, o presidente do Supremo observou que países evoluídos que adotam a política da independência da autoridade monetária desatrelada do governo são países festejados.

"Basta ver o exemplo do Fed [Federal Reserve, o banco central dos EUA], que mostra o quão exitosa é essa experiência da independência de um banco central. O Banco Central é uma instituição do Estado, e não do governo."

Ele destacou que a Constituição Federal preconiza a livre iniciativa, a livre concorrência e a intervenção mínima do estado na economia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos