Mercado fechará em 2 h 21 min
  • BOVESPA

    109.144,88
    +1.765,96 (+1,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.621,91
    +354,71 (+0,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,96
    +1,90 (+4,41%)
     
  • OURO

    1.802,50
    -35,30 (-1,92%)
     
  • BTC-USD

    19.183,35
    +731,38 (+3,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,51
    +10,76 (+2,91%)
     
  • S&P500

    3.629,31
    +51,72 (+1,45%)
     
  • DOW JONES

    30.019,44
    +428,17 (+1,45%)
     
  • FTSE

    6.430,34
    +96,50 (+1,52%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.014,75
    +109,50 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4024
    -0,0379 (-0,59%)
     

Banco do Canadá busca mais mulheres e minorias no comando

Shelly Hagan
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Banco do Canadá lançou um programa de diversidade que aumentará significativamente a representação de mulheres e minorias visíveis no comando da instituição na próxima década.

Em comunicado à equipe neste mês, o banco central com sede em Ottawa divulgou planos para dobrar o número de executivos seniores de minorias visíveis até 2030 e aumentar o número de mulheres nessas funções em 45% no mesmo período. Louise Egan, porta-voz do banco, confirmou o conteúdo do comunicado.

O presidente da instituição, Tiff Macklem, e o conselho executivo estão “comprometidos com o ideal de que um Banco do Canadá mais diversificado e inclusivo seja crucial para refletir a sociedade que servimos e que nos fortaleça como organização”, disse Egan por e-mail. “Eles deixaram claro que nossa equipe de liderança sênior precisa refletir essa diversidade.”

A mudança, se bem-sucedida, elevaria o número de executivos seniores de minoria visível de sete para 14, e o número de mulheres nesses cargos de 22 para 32.

Existem atualmente 76 executivos seniores, incluindo membros do conselho geral, o grupo responsável pela definição das taxas de juros, bem como o diretor de operações, assessores, diretores-gerentes e outros gerentes seniores em vários departamentos.

Isso significaria que 18% da alta administração seria composta por minorias visíveis e 42% seriam mulheres, em relação a 9% e 29% agora, de acordo com cálculos da Bloomberg.

A mudança ocorre em meio a um foco nacional na diversidade liderado pelo primeiro-ministro Justin Trudeau, cujo governo liberal indicou um ministério com equilíbrio de gênero pouco depois de assumir o poder em 2015. No mês passado, o governo introduziu o “desafio da diversidade” como parte de um esforço para aumentar a participação de mulheres e minorias em posições de liderança corporativa.

Atualmente, há apenas uma mulher entre os seis membros do conselho geral do banco central, embora esse assento logo fique vago. A vice-governadora sênior, Carolyn Wilkins, deixa o cargo em 9 de dezembro, antes do fim de seu mandato de sete anos em maio, o que culmina com duas décadas de trabalho na instituição.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.