Mercado fechado

Banco do Brasil vê carteira de crédito próximo do equilíbrio

Talita Moreira e Flávia Furlan

Gestores do banco esperam um resultado melhor na economia, mas reafirmam premissas "realistas" apresentadas pelo grupo ao mercado O gerente-geral de Relações com Investidores do Banco do Brasil, Daniel Maria, disse hoje que a instituição financeira está chegando em um equilíbrio da carteira de crédito, depois de o saldo ter registrado retração nos últimos anos.

“A redução da carteira de crédito é uma função da mudança de mix que fizemos nos últimos anos”, disse o executivo em teleconferência com analistas, em referência ao fato de o BB estar ampliando a carteira no varejo, formado por pessoas físicas e empresas de menor porte, em busca de margens maiores na operação.

Em relação à carteira para grandes empresas, que estava em forte retração nos últimos anos, ele afirmou que “a redução na carteira large corporate já chegou no equilíbrio”.

Segundo Maria, a margem bruta da instituição financeira vai crescer alinhada com a carteira de crédito daqui para frente. Mas a contribuição do resultado da Tesouraria para a margem, vista no último ano, não deve se repetir neste.

“A Tesouraria terá contribuição menor na margem financeira em 2020”, disse o executivo. Ele complementou que a redução do custo de captação aconteceu entre 2018 e 2019, com a queda da Selic, bem como a renegociação de casos de depósito judicial, ambos com efeitos na margem financeira.

De acordo com Maria, quando se olha a tendência, é possível ver ganhos ainda no spread gerencial e no global do BB.

Carlos Hamilton, vice presidente de gestão financeira, afirmou que espera anos melhores para a economia daqui para frente e que o “guidance” do BB para 2020 tem “premissas bastante realistas”.

O vice-presidente Carlos Hamilton reforça que previsões traçadas pelo banco são "realistas"

Ruy Baron/Valor

Em relação à reestruturação dos negócios de pagamentos, ele ressaltou a declaração dada pelo presidente do BB, Rubem Novaes, ontem à imprensa de que “em economia, preço resolve todos os problemas”.

Isso significa que, para qualquer ativo, se aparecer alguém oferecendo preço suficientemente alto, a alternativa de venda será considerada. Por outro lado, se o preço for suficientemente baixo, a alternativa de compra será considerada.

“Estamos tentando entender as tendências e os melhores caminhos”, afirmou.