Mercado abrirá em 6 h 19 min
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,64
    +0,66 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.807,40
    +11,50 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    17.325,40
    +288,72 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    410,53
    +9,11 (+2,27%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.274,03
    +598,68 (+3,21%)
     
  • NIKKEI

    27.780,69
    +2,79 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    11.993,00
    -17,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5186
    +0,0246 (+0,45%)
     

Banco do Brasil retoma crédito e aumenta juros para pessoas com deficiência

***ARQUIVO*** São Paulo, SP , BRASIL, 20 -11-2016: - Fachada do Banco do Brasil, em São Paulo. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)
***ARQUIVO*** São Paulo, SP , BRASIL, 20 -11-2016: - Fachada do Banco do Brasil, em São Paulo. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A linha de crédito do Banco do Brasil para pessoas com deficiência, BB Acessibilidade, foi retomada na quarta-feira (17) com aumento nas taxas de juros.

Destinado ao financiamento de tecnologia assistiva para pessoas com deficiência, como cadeiras de rodas, adaptações em imóvel residencial e aparelhos auditivos, o crédito estava suspenso desde o dia 1º de agosto.

Com a mudança, a taxa mínima de juros passou de 5% para 6% ao ano. A taxa máxima passou de 5,5% para 7,5% ao ano. Os juros variam de acordo com a renda de quem fez o empréstimo, passando a ser de:

- 6% para quem recebe até cinco salários mínimos

- 7,5% para quem recebe entre cinco e dez salários mínimos

Segundo o Banco do Brasil, a linha havia sido suspensa "em razão das discussões em curso sobre as suas condições financeiras". A assessoria não especificou que condições são essas, mas segundo uma fonte próxima das negociações, o banco negociava com o governo aumento do subsídio dado a esse tipo de crédito.

Quanto ao aumento das taxas, o Banco do Brasil disse que "as taxas praticadas no crédito acessibilidade continuam atrativas para o público a que se destinam" e complementou que, apesar do aumento da taxa Selic, atuou para garantir que os juros praticados na linha continuassem em patamar inferior à taxa básica de juros.

O financiamento continua de R$ 70 a R$ 30 mil e o prazo de pagamento pode chegar a 60 meses (cinco anos).

Criada em 2021, a linha de crédito já ofereceu R$ 813 milhões e atendeu cerca de 100 mil pessoas. O Banco do Brasil relata que, nos sete primeiros meses de 2022, foram 5.900 operações, com desembolsos de cerca de R$ 65,9 milhões.