Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,98
    -0,15 (-0,28%)
     
  • OURO

    1.866,80
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    29.702,91
    +170,38 (+0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    583,70
    -96,20 (-14,15%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.633,27
    -123,59 (-0,43%)
     
  • NASDAQ

    13.366,25
    -29,25 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5110
    +0,0026 (+0,04%)
     

Banco do Brasil compra carteira do BV por R$ 395,4 milhões

Álvaro Campos
·1 minuto de leitura

De acordo com o banco, o negócio com o Votorantim “decorre da sinergia estratégica entre as instituições” O Banco do Brasil (BB) informou que comprou carteiras do BV (antigo Votorantim) por R$ 395,427 milhões. A operação foi revelada em comunicado sobre transações com partes relacionadas, já que o Banco Votorantim é controlado pelo BB e a família Ermírio de Moraes. A data de cessão é 24 de julho. As operações consistem em cessão de direitos creditórios com retenção substancial dos riscos e benefícios (com coobrigação do cedente). Segundo o BB, a coobrigação assumida pelo BV prevê o pagamento dos vencimentos independentemente da inadimplência da carteira, com mecanismo de “first loss”. De acordo com o banco, o negócio com o Votorantim “decorre da sinergia estratégica entre as instituições”. Há ainda uma cláusula de recompra de operações liquidadas antecipadamente pelos devedores, de operações inadimplentes ou que sejam objeto de falhas/vícios de contratação. “Os procedimentos e medidas adotadas seguem os padrões do mercado de cessões de créditos, sendo formalizadas por intermédio de contratos de cessões de direitos creditórios e validadas e liquidadas na C3 (central de registro de contratos de crédito) a preço de mercado”, diz o BB. Ana Paula Paiva/Valor