Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.033,52
    +92,66 (+0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Banco do Brasil afasta gestor após mensagem de cunho nazista

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um gestor do Banco do Brasil foi afastado do contato com funcionários após ser denunciado por divulgar piada de cunha nazista em um grupo de WhatsApp do trabalho. Kauam Sarabi Moreira é gerente de operações estruturadas ESG do BB e, de acordo sua página no LinkedIn, é funcionário da instituição há 19 anos.

Segundo relatos feitos à reportagem, na quarta-feira (9) os funcionários do banco estavam conversando sobre assuntos não relacionados ao serviço. Foi quando Kauam respondeu um comentário com uma montagem de Adolf Hitler ao telefone.

O texto da figurinha fazia um pedido: "Hans, liga o gás". A referência remonta às câmaras de gás em que judeus foram mortos por nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Após o ocorrido, ninguém repreendeu Kauam, chefe apontado como abusivo e com histórico de assédio moral dentro do Banco do Brasil. O caso, no entanto, foi denunciado à ouvidoria interna e passa por apuração.

Procurado, Kauam não comentou o caso. Ele negou o afastamento, disse que está de férias e que retorna ao trabalho em um mês. As férias, segundo apurou a reportagem, não foram liberadas pelo banco e estão em processo de análise –ele foi separado do contato com funcionários, não do serviço.

"O funcionário envolvido no caso está afastado das atividades junto à equipe. O Banco do Brasil repudia qualquer manifestação de discriminação e não compactua com apologia contra grupos raciais, culturais, religiosos ou sociais, como prevê seu Código de Ética. O BB reafirma sua defesa pela diversidade junto a seus clientes, funcionários e à sociedade", disse o banco em nota.

Nesta segunda-feira (14), um dos administradores do grupo em que a conversa ocorreu, enviou mensagem aos funcionários dizendo que os canais de WhatsApp do banco seriam desativados e o Microsoft Teams será o único canal oficial de assuntos relativos ao trabalho.