Mercado abrirá em 57 mins
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,21
    +1,03 (+1,71%)
     
  • OURO

    1.743,90
    -3,70 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    64.624,42
    +1.828,25 (+2,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.395,58
    +101,59 (+7,85%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.917,00
    +26,51 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.025,50
    +49,75 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8188
    -0,0124 (-0,18%)
     

Banco acusa fintech Wise de transferir R$ 100 milhões sem pagar impostos

JOÃO VARELLA
·4 minuto de leitura
The logo of TransferWise is seen on a screen of a smartphone next to an illustration of money and stock market. (Photo illustration by Alexander Pohl/NurPhoto via Getty Images)
The logo of TransferWise is seen on a screen of a smartphone next to an illustration of money and stock market. (Photo illustration by Alexander Pohl/NurPhoto via Getty Images)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O banco paranaense MS Bank acusa a fintech Wise (ex-TransferWise) de fazer R$ 100 milhões em transferências ilegais. O banco declara que a startup usava os dados dos usuários para fazer essas transações. Em meio a isso, os clientes da startup convivem com comunicados e versões. Segundo o fundador do MS Bank, Marcelo Sacomori, mais de 620 mil clientes foram usados na fraude. 

O MS Bank foi o correspondente cambial da Wise de 2016 até algumas semanas atrás. Sediada em Londres, a TransferWise trabalha com transferência internacional de dinheiro, oferecendo facilidades no processo. É avaliada em US$ 5 bilhões (aproximadamente R$ 28 bilhões). Clientes brasileiros que usassem a Wise tinham de depositar o valor em uma conta do MS Bank, o correspondente cambial da startup no Brasil. 

Era assim até 18 de fevereiro. Nessa data, os usuários da Wise foram surpreendidos com um email do MS Bank anunciando o fim da parceria e um convite para usar uma nova plataforma de remessas internacionais, o CloudBreak. O design do site da CloudBreak se assemelha ao da Wise. Alguns clientes reclamaram da abordagem nas redes sociais. "Fizemos isso para não deixar nossos clientes desamparados", afirmou Sacomori, em entrevista à reportagem.

Horas mais tarde, ainda na noite de 18 de fevereiro, a Wise mandou um email confirmando o fim do serviço. No dia seguinte, a Wise manda novo email, desta vez mais extenso, pedindo desculpas pelo fim repentino do serviço, considerando a mensagem do MS Bank e prometendo a retomada em algumas semanas. A MS Bank voltou a entrar em contato com os usuários na noite da última sexta-feira (12). 

O novo email alega que a Wise usou os dados financeiros dos clientes para deixar de pagar impostos. "A Transferwise fraudou transferências internacionais sem o conhecimento do MS Bank e dos usuários da plataforma, envolvendo seus nomes em crimes que podem levar a até seis anos de prisão: crimes contra o sistema financeiro nacional, contra a ordem tributária e contra a lei das organizações criminosas de caráter transnacional", afirma o texto. Em um vídeo no YouTube e em seu site, o MS Bank explicou como funcionava a suposta irregularidade. 

Segundo a empresa paranaense, o valor solicitado pelos usuários chegava ao MS Bank adulterado, com um pequeno percentual a mais. Esse valor superior, cuja soma seria de R$ 100 milhões, foi enviado às subsidiárias internacionais da Wise sem o devido registro ou consentimento dos clientes. 

O banco ensina os clientes a verificarem as supostas irregularidades no sistema Registrato, do Banco Central. Nesta segunda-feira (15), a reportagem seguiu as instruções com o CPF de um cliente que fez transações recentes com a Wise, porém o Registrato pede dois dias úteis para emitir o relatório. O MS diz que denunciou as irregularidades ao Ministério Público Federal e ao Banco Central. As instituições afirmaram por nota que não comentariam este caso específico. Sacomori afirma que as provas que embasam suas denúncias não podem ser mostradas por sigilo bancário e jurídico. De acordo com Sacomori, a Receita Federal constatou os problemas e emitiu uma multa -até a publicação desta reportagem, a Receita não havia confirmado a informação. O executivo relata que a Wise teria se comprometido a pagar a penalidade, o que não aconteceu. 

Em comunicado, a Wise diz que a diferença entre o pedido do cliente e o registro no Banco Central se deve pela diferença de câmbio e as tarifas do serviço. Também diz seguir a legislação tributária e aponta ser "alvo de campanha difamatória de ex-parceiro comercial". "A TransferWise Brasil tomará todas as providências legais -cíveis e criminais", disse a empresa por meio de nota. "A empresa [Wise] desconhece qualquer investigação ou acusação em seu nome por nenhum órgão regulador". 

A Wise reconhece que o MS Bank teve acesso a "alguns dados pessoais" de usuários, por isso os clientes receberam as mensagens do banco. A política de privacidade da Wise prevê o compartilhamento de informações dos usuários com parceiros comerciais. Atualmente, o envio do exterior a contas brasileiras funciona normalmente. Remessas com origem no Brasil podem ser feitas apenas em conversões de real para dólares americanos. A startup promete retomar o serviço completo com outras opções de moedas e países em breve, sem dar prazo específico. A Wise foi fundada em 2011 pelos estonianos Taavet Hinrikus e Kristo Käärman. 

A empresa opera no Brasil desde 2015. Declara ter mais de 10 milhões de usuários que transacionam US$ 6 bilhões (cerca de R$ 34 bilhões) mensalmente. Um dos "unicórnios" mais festejados da Europa, a empresa vem expandindo sua oferta de produtos, se aproximando cada vez mais a um banco tradicional -oferece cartão de débito em alguns países, por exemplo. O MS Bank é uma empresa menor. Balancete publicado no site do banco do Paraná registra lucro líquido de R$ 12,8 mil no primeiro semestre de 2020. A empresa começou a operar em 18 de fevereiro de 2014, exatos sete anos antes do anúncio do rompimento com a Wise.