Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    55.076,71
    +620,48 (+1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Baleias comem muito mais do que a ciência pensava

·1 min de leitura

Um novo estudo, publicado na revista científica Nature, descobriu que os hábitos das baleias haviam sido subestimados ao longo de todos esses anos. Anteriormente, apontava-se que todas as baleias da Costa do Pacífico comiam, juntas, 2 milhões de toneladas de frutos do mar por ano. No entanto, a pesquisa descobriu que, em vez disso, cada espécie se alimenta de 2 milhões de toneladas, levando a uma conta muito maior.

Apesar da descoberta, o estudo se concentra em outra questão. Acontece que, ao longo de apenas algumas décadas, cerca de 99% das baleias-azuis do mundo foram mortas. As espécies que lhes serviam como presas, como krill (animais invertebrados semelhantes ao camarão) não são grandes o suficiente para sustentar essas baleias, especialmente se comerem mais do que se pensava. Quando as baleias desapareceram, os especialistas esperavam que as populações de krills aumentassem, mas na verdade elas entraram em colapso. Então onde essa espécie foi parar?

(Imagem: Twenty20photos/Envato)
(Imagem: Twenty20photos/Envato)

A nova pesquisa sugere que se as baleias comem significativamente mais do que se pensava, então também defecam mais. O excremento está cheio de ferro e pode levar a uma explosão no crescimento de minúsculas algas e criaturas na base da cadeia alimentar. Essas criaturas, por sua vez, alimentariam enormes conjuntos de krills, que alimentariam as baleias, gerando assim um ciclo.

Os especialistas também mencionam os possíveis impactos das baleias nos oceanos e no ecossistema. Mas um estudo da Universidade de British Columbia supõe que a maior parte do ferro cabe aos microrganismos, e não às baleias, e que há processos globais, como a mudança climática, que diminuem os impactos das baleias sobre o krill. De qualquer maneira, o estudo completo pode ser encontrado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos