Mercado abrirá em 1 h 40 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,00
    +0,23 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.851,60
    -3,60 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    32.132,39
    -1.231,06 (-3,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    647,75
    +0,43 (+0,07%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.671,56
    +32,71 (+0,49%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.435,75
    -39,75 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Balanço mundial da pandemia de covid-19 em 2 de janeiro de 2021

·2 minuto de leitura
Profissionais de saúde participam de simulação de vacinação contra a covid-19, em um centro de atendimento de saúde, em Chennai, 2 de janeiro de 2021

A pandemia do novo coronavírus causou pelo menos 1.827.565 mortes ao redor do mundo desde que o escritório da Organização Mundial de Saúde (OMS) na China informou o surgimento da doença em dezembro de 2019 - aponta o balanço feito pela AFP, neste sábado (2), com base em fontes oficiais.

Desde o início da pandemia, mais de 83.906.690 pessoas contraíram a covid-19. Deste total, pelo menos 53.756.600 se recuperaram da doença, de acordo com as informações divulgadas pelas autoridades locais.

Estes números se baseiam nos relatórios comunicados diariamente pelas autoridades sanitárias de cada país e excluem as correções feitas "a posteriori" pelos diferentes organismos, como na Rússia, na Espanha, ou no Reino Unido.

Desde o começo da atual crise sanitária, o número de testes realizados aumentou consideravelmente, e as técnicas de rastreamento melhoraram, o que levou a uma alta nas infecções declaradas.

Ainda assim, o número de casos diagnosticados reflete apenas uma parte da totalidade de contágios. Os casos menos graves, ou assintomáticos, continuam sem serem detectados.

Na sexta-feira (1o), foram registradas 9.661 novas mortes e 555.864 infecções no mundo. Os países com número mais alto de vítimas fatais são, de acordo com os últimos balanços oficiais, Estados Unidos, com 2.271; México, com 700; e Reino Unido, com 613.

Nos Estados Unidos, o número de mortos chega a 347.865, com 20.136.182 casos de contágio registrados.

Depois dos Estados Unidos, os países com mais óbitos são Brasil, com 195.411 mortes e 7.700.578 casos; Índia, com 149.218 mortes (10.305.788 casos); México, com 126.507 mortes (1.437.185 casos); e Itália, com 74.621 óbitos (2.129.376 casos).

Entre os países mais atingidos, a Bélgica apresenta a maior taxa de mortalidade, com 169 mortes a cada 100.000 habitantes, seguida de Eslovênia (131), Bósnia (125), Itália (123) e Macedônia do Norte (120).

Desde o começo da pandemia, a Europa acumula 577.421 mortes (com 26.780.200 casos de contágio); América Latina e Caribe, 509.332 (15.631.581); Estados Unidos e Canadá, 363.471 (20.718.886); Ásia, 220.019 (13.946.361); Oriente Médio, 90.239 (4.012.049); África, 66.138 (2.786.532); e Oceania, 945 (31.087).

Esse balanço foi feito com base nos dados das autoridades nacionais coletados pelas redações da AFP ao redor do mundo e com informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Devido a correções por parte das autoridades locais, ou à divulgação tardia dos dados, o aumento nos números publicados em 24 horas pode não corresponder exatamente aos números do dia anterior.

bur-rbj/mar/tt