Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,41
    +0,24 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.870,60
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    13.554,96
    +124,29 (+0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,79
    +23,11 (+9,52%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.491,56
    -95,04 (-0,39%)
     
  • NIKKEI

    23.128,68
    -203,26 (-0,87%)
     
  • NASDAQ

    11.187,25
    -155,50 (-1,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7514
    +0,0058 (+0,09%)
     

Balança comercial tem superávit de US$ 2,68 bi nas duas primeiras semanas de outubro

·1 minuto de leitura

No ano, o saldo positivo da balança soma US$ 44,87 bilhões A balança comercial registrou superávit de US$ 2,68 bilhões nas duas primeiras semanas de outubro, informou a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia, nesta terça-feira (13). O valor é resultado de exportações de US$ 6,39 bilhões e importações de US$ 3,70 bilhões no período. No ano, o saldo positivo da balança soma US$ 44,87 bilhões. A média diária de exportações em outubro, até a segunda semana, somou US$ 912,7 milhões, avanço de 2,6% sobre outubro de 2019. O desempenho foi puxado pelo crescimento de 10,7% nos embarques da indústria extrativa, seguido pela alta de 4,9% nas vendas da indústria de transformação ao exterior. A exportação de produtos agropecuários caiu 15% nas duas primeiras semanas do mês. Em relação às importações, a média diária registrou queda de 31,6% na comparação entre as duas primeiras semanas de outubro deste ano (US$ 529,49 milhões) com outubro do ano passado. A compra de produtos agropecuários subiu 1,4% no período, mas foi insuficiente para contrabalançar as quedas de 60% nos desembarques da indústria extrativa e de 31,1% da indústria de transformação. Steve Howard/Pixabay