Mercado abrirá em 3 h 39 min
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,22
    -0,73 (-0,99%)
     
  • OURO

    1.810,10
    -7,10 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    39.700,82
    -2.223,93 (-5,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    966,21
    +16,31 (+1,72%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.103,72
    +71,42 (+1,02%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.038,25
    +82,50 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1550
    -0,0330 (-0,53%)
     

Balança comercial tem superávit de US$ 37,5 bilhões no primeiro semestre

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A balança comercial brasileira fechou o primeiro semestre de 2021 com um superávit de US$ 37,5 bilhões. O resultado, divulgado nesta quinta-feira (1°) pelo Ministério da Economia, ficou 68,2% acima do registrado no mesmo período de 2020 (US$ 22,3 bilhões).

De janeiro a junho deste ano, houve crescimento de 35,8% no valor total das exportações, alcançando US$ 136,7 bilhões. O aumento nas importações foi de 26,6%, indo a US$ 99,2 bilhões. Por isso, a diferença entre os produtos comprados e vendidos pelo Brasil no mercado internacional ficou positiva, impulsionando o saldo no azul.

Somente no mês de junho, o saldo das compras e vendas do Brasil no exterior ficou positivo em US$ 10,4 bilhões, contra um resultado positivo de US$ 6,5 bilhões no mesmo mês de 2020.

A corrente de comércio, que soma os valores vendidos e comprados, avançou 31,8% no primeiro semestre, totalizando US$ 236 bilhões. Esse indicador é considerado o mais importante pela equipe econômica porque mede o dinamismo do comércio exterior do país.

Na separação por setor da economia, indústria extrativa apresentou forte crescimento, puxada pela mineração. A média diária de exportação do setor cresceu 77% no semestre, alcançando US$ 38,1 bilhões.

As exportações na agropecuária cresceram 28,2% e totalizaram US$ 32,3 bilhões no semestre. A indústria de transformação, por sua vez, vendeu 22,6% a mais, com valor total de US$ 65,7 bilhões.

No recorte por regiões, a maior parte dos países comprou mais produtos brasileiros no período.

Houve alta de 33,2% das exportações para os Estados Unidos e expansão de 25,9% para a União Europeia. As vendas para países da América do Sul subiram 50,5%.

Para a China, o valor da exportação registrou alta de 37,8% no semestre. Com o aumento, a participação dos chineses ficou em 35,4% de todo o valor exportado pelo Brasil, consolidando a liderança entre os compradores --no ano passado, o patamar era de 34,9%. Os Estados Unidos, por exemplo, têm 9,8% de participação nas exportações brasileiras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos