Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    48.009,07
    -853,78 (-1,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    956,50
    -38,16 (-3,84%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7372
    +0,1667 (+2,54%)
     

Balança comercial brasileira tem déficit de US$1,125 bi em janeiro, diz ministério

·2 minuto de leitura
Carregamento de soja no porto de Paranaguá, Paraná

BRASÍLIA (Reuters) - A balança comercial brasileira registrou déficit de 1,125 bilhão de dólares em janeiro, informou o Ministério da Economia nesta segunda-feira.

O déficit veio abaixo do estimado em pesquisa da Reuters com economistas, que apontava para saldo negativo de 2 bilhões de dólares para o mês, e também foi inferior ao déficit de janeiro de 2020, de 1,684 bilhão de dólares.

No acumulado do mês, as exportações somaram 14,808 bilhões de dólares, com alta de 12,4% pela média diária sobre janeiro do ano passado, enquanto as importações foram de 15,933 bilhões de dólares, aumento de 8,3%.

O desempenho das importações, que teve a maior média diária para o mês desde 2015, de 797 milhões de dólares, foi puxado por um incremento das compras de produtos básicos.

No período, as importações de produtos agrícolas cresceram 22,3%, com destaque para a importação de soja, com crescimento de 487,26% em comparação ao ano passado, e de trigo e centeio não moídos (+35,1%).

Em coletiva de imprensa virtual, o subsecretário de Inteligência e Estatística de Comércio Exterior, Herlon Brandão, disse haver momentos no qual o país costuma importar soja de economias vizinhas, mas não detalhou a procedência do produto neste mês específico.

"É comum, você tem o mercado consumidor ali, produtor de carnes próximo à fronteira com o Paraguai. Não tem tarifa, é origem Mercosul, então isso acontece. Muitas vezes o produtor brasileiro está comprometido com contratos de fornecimento, e o demandante nacional compra de quem tem capacidade de oferta no momento."

Já na indústria extrativa, com crescimento de 7,6% das importações, o destaque foi para a importação de minério de ferro e seus concentrados (+146.403,4%), que Brandão caracterizou como uma operação "muito peculiar".

"O Brasil não é importador de minério de ferro, o Brasil é exportador. (...) Me parece que possa ser alguma devolução de mercadoria, disse.

Na indústria de transformação, que responde pela maior fatia das importações (92,3% em janeiro), a alta foi de 6,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

EXPORTAÇÕES

No mês passado, as exportações do setor de agropecuária recuaram 2,6% em comparação a janeiro de 2020 pela média diária, enquanto as da indústria extrativa apresentaram variação positiva de 35,3%.

As exportações de minério de ferro e seus concentrados cresceram 73,6%, desempenho que o subsecretário atribuiu à valorização dos preços (+45%), bem como ao aumento do volume exportado (+19,6%), em uma conjuntura de oferta limitada por parte dos principais produtores mundiais, como Brasil e Austrália.

"Estímulos econômicos incentivarem o consumo de aço, que por sua vez incentiva o consumo de minério de ferro", disse Brandão.

Já a indústria de transformação, as importações cresceram 6%.

(Por Gabriel Ponte)