Mercado abrirá em 5 h 12 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,51
    +0,04 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.892,60
    +1,90 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    22.618,41
    -596,72 (-2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    521,18
    -15,71 (-2,93%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.593,11
    +309,59 (+1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.596,50
    +51,25 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5796
    +0,0122 (+0,22%)
     

Bactérias do intestino afetam o cérebro, mas também podem combater o Alzheimer

Em alguns casos, as bactérias podem representar graves riscos à saúde humana, como as superbactérias, mas estes seres também podem viver em sintonia e completa dependência com o organismo, especialmente no intestino. Por exemplo, auxiliam na produção de vitaminas, atuam na digestão de alimentos e regulam o sistema imune. Agora, cientistas descobriram que as bactérias também pode estar relacionadas com complicações no cérebro, só que, potencialmente, também podem retardar o Alzheimer.

Para entender como as bactérias do intestino afetam o cérebro, pesquisadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, realizaram experimentos com roedores editados geneticamente, o que fez com que as cobaias tivessem maior propensão a desenvolver Alzheimer. O estudo completo foi publicado na revista Science.

Estuda avalia o impacto das bactérias do intestino no corpo e no cérebro

“Demos antibióticos a camundongos jovens por apenas uma semana e observamos mudanças permanentes em seus microbiomas intestinais, nas suas respostas imunes e na quantidade de neurodegeneração relacionada à proteína tau [um dos principais biomarcadores do declínio cognitivo associado ao Alzheimer]", explica David M. Holtzman, um dos autores do estudo e professor de neurologia, em comunicado.

Bactérias do intestino podem provocar danos ao cérebro, só quem podem esconder a chave para a prevenção do Alzheimer (Imagem: LightFieldStudios/Envato)
Bactérias do intestino podem provocar danos ao cérebro, só quem podem esconder a chave para a prevenção do Alzheimer (Imagem: LightFieldStudios/Envato)

Basicamente, os cientistas demonstraram que as bactérias intestinais — através da produção de determinados compostos, como os ácidos graxos de cadeia curta — afetam o comportamento das células imunológicas em todo o corpo, incluindo o cérebro. Dependendo das circunstâncias, podem danificar o tecido cerebral, acelerando a neurodegeneração em pacientes com tendência ao Alzheimer.

Novos tratamentos contra o Alzheimer

Se em alguns casos as bactérias podem acelerar o surgimento do Alzheimer em roedores, os autores do estudo ponderam que elas também seriam capazes de retardar, dependendo das intervenções pelas quais o microbioma do intestino passam. Isso poderia ser replicado em humanos no futuro, caso se demonstre promissor.

Em tese, "terapias que alteram os micróbios intestinais podem afetar o início ou a progressão de distúrbios neurodegenerativos”, pontua Linda McGavern, diretora do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (Ninds), dos EUA.

Para isso, médicos poderiam receitar determinados antibióticos, probióticos ou ainda dietas personalizadas visando melhorar a imunidade geral do corpo. No entanto, hoje, este é um campo especulativo e inúmeros estudos ainda são necessários para obtermos tratamentos eficazes, baseados no microbioma, para o Alzheimer.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: