Mercado fechará em 3 h 3 min
  • BOVESPA

    129.693,14
    -514,82 (-0,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.881,77
    -147,77 (-0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,86
    +0,98 (+1,38%)
     
  • OURO

    1.854,80
    -11,10 (-0,59%)
     
  • BTC-USD

    40.203,83
    +226,86 (+0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,81
    -8,79 (-0,87%)
     
  • S&P500

    4.243,47
    -11,68 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    34.265,03
    -128,72 (-0,37%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.053,50
    -71,25 (-0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1648
    +0,0333 (+0,54%)
     

Bactéria de um bebê pode indicar obesidade no futuro

·2 minuto de leitura
Bactéria de um bebê pode indicar obesidade no futuro
Bactéria de um bebê pode indicar obesidade no futuro

De acordo com uma nova pesquisa sobre o problema da obesidade infantil, a bactéria no intestino de um bebê pode indicar problemas de peso no futuro. Os pesquisadores examinaram a microbiota intestinal, que são as bactérias e também outros micróbios do sistema digestivo, de bebês.

Eles viram como o índice de massa corporal é capaz de “identificar fatores modificáveis ​​no início da vida que estão associados ao ganho de peso na primeira infância é uma oportunidade para a prevenção de fatores de risco cardiovascular e doenças cardíacas mais tarde. É por isso que focamos na microbiota em crianças”, segundo Moira Differding, que liderou o estudo.

Além disso, as últimas estatísticas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dicam que a obesidade afetou 13,4% das crianças de 2 a 5 anos em 2017 e 2018, com o número aumentando para 20,3% entre as crianças de 6 a 11 anos.

Os pesquisadores também examinaram a microbiota extraída de amostras de fezes de mais de 200 bebês mais de 1 ano de idade. Depois, mediram seu IMC até os 5 anos de idade. As descobertas são consideradas preliminares até serem publicadas em um jornal revisado por pares.

Leia mais:

“Isso mostra que a microbiota em uma idade mais precoce realmente prediz o IMC da criança de dois a cinco anos depois. Isso amplia nosso conhecimento e é muito legal”, explicou Peter Katzmarzyk, professor de atividade física e epidemiologia da obesidade na Pennington Biomedical da Louisiana State University Centro de Pesquisa em Baton Rouge.

Outro possível fator é a amamentação. Diferentes níveis de bactérias entre bebês que foram amamentados foram menos associados a IMC mais elevados, mas os resultados são necessários para provar uma ligação. Differding revelou que outros estudos mostraram que a amamentação pode reduzir a obesidade infantil, embora não por causa da microbiota.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!