Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.632,92
    -168,29 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.134,93
    -60,50 (-0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,10
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.806,50
    -8,00 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    40.953,18
    +1.027,64 (+2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.005,54
    +29,64 (+3,04%)
     
  • S&P500

    4.429,10
    +26,44 (+0,60%)
     
  • DOW JONES

    35.064,25
    +271,58 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.171,75
    +98,25 (+0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2082
    +0,0899 (+1,47%)
     

Bactéria transforma plástico em produto com gosto e cheiro de baunilha

·3 minuto de leitura

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo, na Inglaterra, descobriram como transformar plástico em vanilina. Eles usaram uma bactéria simples chamada Escherichia coli (E. coli) para converter o plástico encontrado em garrafas PET no composto responsável pelo cheiro e sabor dos grãos de baunilha.

A bactéria projetada em laboratório utiliza uma série de reações químicas para transformar o ácido tereftálico - uma molécula derivada do PET - na mistura sintética que possui grande quantidade de vanilina. Mesmo com o cheiro e sabor da baunilha, os cientistas ainda não sabem se ela pode ser usada, por exemplo, para fazer bolos e sorvetes.

“Este é o primeiro exemplo de uso de um sistema biológico para transformar resíduos plásticos em um produto químico industrial valioso e isso tem implicações muito interessantes para a economia, mas ainda precisamos de mais testes para saber se a vanilina sintética é própria para o consumo”, explica a pesquisadora Joanna Sadler.

Transformação

A conversão do plástico em vanilina ocorre por meio de uma reação suave, que utiliza um catalisador de célula produzido a partir de matérias-primas renováveis, sem a necessidade de substâncias reagentes adicionais que poderiam gerar resíduos perigosos para a saúde e meio ambiente.

A chave para uma alta taxa de conversão foi utilizar temperatura ambiente com materiais para permeabilização celular, capazes de aumentar o fluxo em direção ao produto final. Este processo criou uma vanilina sintética, produzida por meio de fermentação microbiana artificial. O índice de transformação do plástico pós-consumo em vanilina não natural foi superior a 79%.

Transformação do plástico PET em vanilina usando a batéria E. coli (Imagem: Reprodução/University of Edinburgh)
Transformação do plástico PET em vanilina usando a batéria E. coli (Imagem: Reprodução/University of Edinburgh)


“Ao usar micróbios para transformar resíduos plásticos, que são prejudiciais para o meio ambiente, em uma importante commodity que serve como plataforma com amplas aplicações em cosméticos e alimentos, temos uma bela demonstração de como a química pode ser mais verde", diz o editor de publicações da Royal Society of Chemistry, Ellis Crawford.

Baunilha x PET

A vanilina é utilizada pela indústria na fabricação de cosméticos e alimentos, principalmente por causa do cheiro característico e do sabor amadeirado agradável ao paladar humano, quando empregado na elaboração de doces e seus derivados. A substância também é usada na formulação de herbicidas, agentes antiespumantes e produtos de limpeza, com uma demanda global que ultrapassa 37 mil toneladas por ano.

Favas naturais de baunilha (Imagem: pawopa3336/Envato)
Favas naturais de baunilha (Imagem: pawopa3336/Envato)

Já o tereftalato de polietileno, popularmente conhecido como PET, é um plástico forte e leve fabricado a partir de materiais não renováveis como petróleo e gás. Por ano, o mundo produz mais de 50 milhões de toneladas de resíduos de PET, trazendo sérios problemas para o meio ambiente.

Sistemas de reciclagem de materiais plásticos cresceram nos últimos anos, mas eles ainda são pouco eficientes pois, na maioria das vezes, criam subprodutos poluentes que continuam a ser jogados sem os devidos cuidados na natureza. Por isso, segundo os pesquisadores, a transformação do PET em uma substância consumível é muito mais eficiente.

“Nosso trabalho desafia a percepção do plástico como um resíduo problemático e, em vez disso, demonstra seu uso como um novo recurso de carbono a partir do qual podemos obter produtos de alto valor com uma matéria-prima abundante e renovável”, afirma o professor Stephen Wallace, autor do estudo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos